George Floyd

Nova Iorque vai mudar nome a ruas com mensagens do "Black Lives Matter"

Shannon Stapleton

Esta decisão soma-se às mudanças na polícia, cuja aprovação pelos legisladores estaduais é esperada para breve.

A cidade de Nova Iorque vai mudar o nome a várias ruas com mensagens do movimento "Black Lives Matter" (A Vida dos Negros Importa), anunciou esta terça-feira o 'mayor' (autarca), o democrata Bill de Blasio.

Esta decisão soma-se às mudanças na polícia, cuja aprovação pelos legisladores estaduais é esperada para breve. De Blasio convidou para a sua conferência de imprensa vários ativistas, com quem se tinha reunido no domingo na sua residência oficial, que afirmaram que este é o "momento de agir" e fazer com que a 'Grande Maçã' (uma das designações desta metrópole) "reconheça o poder de uma ideia fundamental, eu as vidas negras importam", o que consideraram que está a acontecer no órgão legislativo estadual.

"Uma das propostas que está sobre a mesa é a de renomear ruas e pintar as suas palavras (do movimento "Black Lives Matter") nas ruas da cidade, em locais cruciais de cada bairro, um dos quais próximo da sede do município", disse De Blasio.

Uma das ativistas Iesha Sekou, apoiou a iniciativa aplaudiu as "considerações sobre decisões que se devem tomar sobre as consequências das más práticas policiais, uma vez que os comportamentos abusivos e brutais da Polícia devem ter consequências à altura", como a lei "Eric Garner Anti-chokehold".

Esta lei tem este nome em homenagem ao afro-americano Eric Garner, que foi morto por asfixia em julho de 2014 às mãos de Daniel Pantaleo, e que foi aprovada na noite passada, por maioria esmagadora, pela Assembleia e pelo Senado de Nova Iorque, aguardando apenas a assinatura do governador Andrew Cuomo, que já o prometeu fazer.

Estas decisões sucedem a um movimento de protesto generalizado nos EUA provocado pela morte de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, em 25 de maio, em Minneapolis, no Estado do Minnesota.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado