George Floyd

Confrontos entre polícia, extrema-direita e manifestantes contra o racismo em Londres

NEIL HALL

Além de Londres, as manifestações ocorreram em várias outras cidades do Reino Unido.

Vários manifestantes envolveram-se hoje em confrontos com a polícia britânica, junto ao parlamento, em Londres, durante manifestações contra o racismo, segundo as autoridades.

Alguns manifestantes atiraram garrafas e empurraram polícias, junto à ponte de Westminster, no centro de Londres, enquanto outros provocavam momentos de tensão na praça de Trafalgar, no segundo final de semana de manifestações anti-racistas, após a morte do afro-americano George Floyd, asfixiado sob escolta policial em Minnesota, nos Estados Unidos, no passado dia 25.

Além de Londres, as manifestações ocorreram em várias outras cidades do Reino Unidos como Belfast, na Irlanda do Norte, e Brighton, no sul de Inglaterra, embora não tenham sido aí registados atos de violência, até agora, de acordo com relatos das autoridades britânicas.

O secretário do Interior britânico, Priti Patel, já criticou o “vandalismo inaceitável” dos manifestantes que hoje provocaram a polícia em Londres.

“Qualquer pessoa que cometer violência ou vandalismo deve esperar toda a força da lei. A violência contra os nossos polícia não será aceite. O coronavírus continua a ser uma ameaça para todos”, escreveu Patel na sua conta pessoal da rede social Twitter.

A polícia impôs restrições em Londres para evitar incidentes e impedir que os manifestantes pintassem estátuas.

Para além disso, os grupos de manifestantes terão de dispersar a meio da tarde, especialmente na área de Whitehall, na zona dos edifícios governamentais e perto do Parlamento.

No fim de semana passado, a estátua do ex-primeiro-ministro Winston Churchill apareceu pintada, forçando o Governo a protegê-la e a cobri-la para evitar danos.

Alguns membros do grupo de extrema-direita Britain First foram hoje à Praça do Parlamento, segundo relatos dos meios de comunicação social, acompanhando o líder Paul Golding para proteger os monumentos.

Como medida de precaução e para evitar incidentes entre os grupos, a polícia londrina impôs ainda ao grupo anti-racista "Black Lives Matter" uma área específica para se