George Floyd

Polícia que matou Rayshard Brooks vai ser acusado de homicídio e mais 10 crimes

Andreia Melo

Andreia Melo

Jornalista

Enfrenta a pena de morte.

O agente da polícia de Atlanta que matou Rayshard Brooks vai ser acusado de homicídio e mais 10 crimes.

Brooks, de 27 anos, morreu na noite de sexta-feira após ter sido atingido por "dois tiros nas costas" disparados por um agente branco da polícia de Atlanta, provocando-lhe danos nos órgãos e perda de sangue, explicou em comunicado o médico-legista do condado de Fulton, citado pela agência de notícias espanhola EFE.

A polícia tinha sido chamada ao local devido a uma queixa de que um homem estava a dormir dentro de um carro e a bloquear a passagem de outras viaturas.

Um vídeo da câmara ligada a um dos uniformes dos agentes, divulgado pela polícia no domingo, mostra que os agentes falaram durante mais de 20 minutos com Brooks, antes do início do confronto.

Brooks manteve-se inicialmente calmo, confirmando que tinha bebido, e cooperou com os agentes, a quem pediu autorização para deixar o carro no parque de estacionamento e ir a pé até à casa da irmã, que vive nas proximidades.

Os agentes fizeram-lhe um teste de alcoolemia e tentaram algemá-lo, mas Brooks libertou-se e os três acabaram no chão, com a polícia a avisá-lo de que lhe dariam um choque elétrico com taser se resistisse.

Outro vídeo divulgado pelo Departamento de Investigação da Geórgia (GBI, na sigla em inglês) mostra Brooks, depois de tirar o taser à polícia e fugir, a voltar-se para trás e a apontar a um agente que o perseguia. O agente, que levava outro taser numa mão, pegou na arma e disparou três vezes contra Brooks.

VEJA MAIS NO ESPECIAL GEORGE FLOYD