Guerra Rússia-Ucrânia

Japão e Austrália anunciam sanções contra a Rússia e territórios separatistas

Japão e Austrália anunciam sanções contra a Rússia e territórios separatistas

O primeiro-ministro japonês anunciou que o Governo vai proibir novas emissões e distribuição de títulos de dívida soberana russa no Japão.

O Japão e a Austrália anunciaram esta quarta-feira sanções contra a Rússia e os territórios separatistas pró-russos de Lugansk e Donetsk, que o Presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu na segunda-feira como independentes.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse que o Governo vai proibir nova emissões e distribuição de títulos de dívida soberana russa no Japão, em resposta às “ações da Rússia na Ucrânia”.

Kishida disse que o país vai também proibir o comércio com Lugansk e Donetsk, suspender a emissão de vistos para as pessoas ligadas às duas zonas do leste da Ucrânia e congelar os bens desses indivíduos no Japão.

O primeiro-ministro nipónico adiantou que as sanções vão entrar em vigor “o mais depressa possível”.

Kishida indicou que o Japão está preparado para adotar medidas adicionais, se a situação piorar, em coordenação com os restantes países-membros do G7.

AUSTRÁLIA COM SANÇÕES CONTRA INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, anunciou sanções contra instituições bancárias como o VEB, um dos maiores bancos de investimento e desenvolvimento da Rússia, e o banco militar russo, entre outros.

A Austrália vai também impor sanções contra indústrias de diversos setores, como a energia, mineração e hidrocarbonetos, das regiões de Donestsk e Lugansk, que passam ainda a ser abrangidas por sanções impostas em 2011 à Crimeia e a Sebastopol, então ocupadas pela Rússia.

Morrison disse que a Austrália vai também proibir a entrada e aplicar sanções financeiras a oito membros do conselho de segurança da Rússia, órgão que reúne os principais decisores russos, em particular os líderes do Exército e dos serviços secretos.

Tanto Morrison, como Kishida reiteraram a condenação da decisão russa, que consideraram ser uma violação da soberania e da integridade territorial ucraniana, bem como do direito internacional.

Kishida garantiu que o Japão fará tudo para proteger os japoneses que ainda estão na Ucrânia, apesar de Tóquio ter há dez dias aconselhado os seus cidadãos a abandonar o país.

Morrison referiu que ainda há cerca de 1.400 australianos a viver na Ucrânia e acrescentou ter ordenado o processamento urgente dos pedidos de vistos apresentados por 1.400 ucranianos, incluindo estudantes.

Camberra já entrou em contacto com uma série de empresas para prevenir um possível ataque cibernético a infraestrutura crítica australiana em retaliação pelas sanções impostas contra a Rússia, disse Morrison.

O Canadá, o Reino Unido e os Estado Unidos já tinham também anunciado sanções contra a Rússia e os territórios separatistas pró-russos de Lugansk e Donetsk.

Na segunda-feira, Putin anunciou que as forças armadas russas poderão deslocar-se para os territórios ucranianos em missão de “manutenção da paz”, decisão que já foi autorizada pelo Senado russo.

Com LUSA

SAIBA MAIS

A PÁGINA CONFLITO RÚSSIA-UCRÂNIA

Últimas Notícias
Mais Vistos