Guerra Rússia-Ucrânia

Canadá impõe sanções a Putin e defende exclusão da Rússia do sistema SWIFT

Canadá impõe sanções a Putin e defende exclusão da Rússia do sistema SWIFT

Também vão ser aplicadas sanções ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov.

O Canadá aplicou sanções contra o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, revelou sexta-feira o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, que defende a exclusão dos russos do sistema de transferências financeiras SWIFT, para dificultar o financiamento da invasão à Ucrânia.

O terceiro pacote de sanções contra a Rússia afeta também o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, adiantou Justin Trudeau, em declarações aos jornalistas.

Para o primeiro-ministro canadiano, o mundo está a testemunhar os “horrores” de uma guerra decidida por Putin e garantiu que o Canadá está disposto a colocar “todas as opções na mesa” para acabar com a invasão à Ucrânia.

Sobre Putin e Lavrov, o chefe do governo canadiano apontou que “estes homens têm a principal responsabilidade pelas mortes e destruição que estão a ocorrer na Ucrânia”.

O Presidente russo tem que pagar pelo fim de 75 anos de paz na Europa, acrescentou.

Justin Trudeau detalhou que o alvo das sanções pessoais contra Putin é a “riqueza considerável” que o chefe de Estado russo controla diretamente e esconde através de intermediários.

“Canadá, Reino Unido e outros países acreditam que a Rússia deve ser excluída do sistema SWIFT e essas discussões continuam com os aliados europeus”, frisou.

Perante a relutância de alguns países europeus para excluírem a Rússia do sistema de transferências financeiras SWIFT, Trudeau defendeu que Putin não pode sair beneficiado por um sistema que a “paz” na Europa criou nas últimas décadas.

“Putin cometeu um grave erro” ao invadir a Ucrânia, sublinhou Trudeau.

Já a chefe da diplomacia canadiana, Mélanie Joly, referiu que o objetivo das sanções é “sufocar o regime russo” e que, para isso, os países ocidentais devem usar “métodos criativos” para exercer pressão máxima contra Moscovo.

Últimas Notícias
Mais Vistos