Guerra Rússia-Ucrânia

Guerra na Ucrânia: Rússia testa novo míssil intercontinental com capacidade nuclear

Guerra na Ucrânia: Rússia testa novo míssil intercontinental com capacidade nuclear

O Kremlin diz ter enviado uma proposta de acordo para Kiev, mas Zelensky afirma não conhecer nenhum novo documento.

O Presidente da Ucrânia diz que não conhece qualquer proposta de acordo da Rússia. Esta é a reação de Zelensky à afirmação do Kremlin de que enviou um novo documento para Kiev. Mas há mais sinais contraditórios vindos de Moscovo: os russos anunciaram ter testado um novo míssil intercontinental com capacidade nuclear.

Sarmat ou Satã 2 é um míssil balístico intercontinental capaz de transportar entre 10 e 15 ogivas nucleares. Foi testado pela primeira vez em 208, foi novamente disparado esta quarta-feira a partir de um base, no noroeste da Rússia. O míssil atingiu o alvo previsto: uma península no extremo leste do país.

A operação foi divulgada pelo exército russo no mesmo dia em que o porta-voz do Kremlin anuncio ter enviado ao governo ucraniano uma nova proposta negocial. Dimitri Peskov não revela pormenores, mas garante que o documento tem, preto no branco, o que a Rússia quer para chegar a um acordo de paz.

O Kremlin diz que a bola está do lado da Ucrânia e acusa o Governo de Zelensky de lentidão e de estar sempre a mudar de posição sobre pontos já acordados.

Esta quarta-feira, o presidente do Concelho Europeu, Charles Michel, visitou Kiev de surpresa. É o segundo representante da União Europeia a pisar solo ucraniano desde o início da guerra.

António Guterres deverá também ir, em breve, a Kiev e a Moscovo. O secretário-geral da ONU já pediu às duas partes para ser recebido. O pedido foi feito na terça-feira, dia em que foi conhecida uma carta onde 200 antigos altos funcionários das Nações Unidas pediam a Guterres que se empenhasse mais na mediação do conflito.

Saiba mais:

Últimas Notícias