Guerra Rússia-Ucrânia

Rússia não tem dúvidas: “Mercenários israelitas estão ao lado de militantes do batalhão Azov”

04.05.2022 11:20

KYIV, UKRAINE – 2022/03/19: A torn Ukraine flag is seen at a destroyed car. Amid the intensified Russian offensive encircling Kyiv, a Russian missile struck the residential area in Podilskyi district. The shelling killed one civilian and injured dozens, and 200 people need to be evacuated, shockwave and explosions destroyed countless residential buildings, one school and one kindergarten. (Photo by Alex Chan Tsz Yuk/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

Um dos mais ferozes oponentes às forças russas.

A Rússia denunciou esta quarta-feira a existência de “mercenários israelitas” a lutar na Ucrânia ao lado do batalhão Azov, que Moscovo classifica como uma unidade “nazi”.

“Vou dizer algo que os políticos israelitas provavelmente não querem ouvir, mas talvez lhes interesse. Na Ucrânia, mercenários israelitas estão ao lado de militantes do [batalhão] Azov”, declarou esta quarta-feira a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, numa entrevista à rádio Sputnik.

Fundado em 2014 por ativistas de extrema-direita antes de ser integrado às forças regulares, o batalhão ucraniano Azov estabeleceu-se como um dos mais ferozes oponentes às forças russas – que travam uma ofensiva militar contra a Ucrânia desde 24 de fevereiro.

Membros do Azov são apresentados pela Rússia como “fascistas” e “nazis”

Os seus membros, juntamente com outros combatentes ucranianos, recusaram-se a depor as armas em Mariupol, onde os últimos defensores da cidade estão entrincheirados na siderúrgica Azovstal, contra a qual as forças de Moscovo lançaram um ataque na passada terça-feira.

Heróis para muitos ucranianos, os membros do Azov são, por outro lado, apresentados pela Rússia como “fascistas” e “nazis”, e que cometem atrocidades.

Ao afirmar que os israelitas estão a lutar ao lado do batalhão Azov, Moscovo continua a alimentar a polémica criada pelo chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, que afirmou no passado domingo que Adolf Hitler tinha “sangue judeu”, uma teoria negada pelos historiadores.

Os comentários irritaram Israel, que os classificou de “escandalosos, imperdoáveis” e um “erro histórico horrível”. Na noite de terça-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo tinha acusado Israel de “apoiar o regime neonazi em Kiev”, por o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, ser judeu.

Veja também

SAIBA MAIS

Últimas Notícias