Guerra Rússia-Ucrânia

SIC na Ucrânia: Maks, de oito anos, viu “pessoas a cavar sepulturas, vizinhos a enterrar corpos no quintal” 

SIC na Ucrânia: Maks, de oito anos, viu “pessoas a cavar sepulturas, vizinhos a enterrar corpos no quintal” 

O relato de quem saiu de Mariupol para fugir à destruição total. 

Quatro em cada cinco habitantes de Mariupol conseguiu fugir da cidade. Os enviados da SIC estiveram com famílias que encontraram refúgio em Dnipro. Algumas já fugiram à guerra duas vezes nos últimos oito anos. 

Nos apenas oito anos de vida que leva, Maks já fugiu duas vezes da guerra. A primeira foi em 2015, quando os russos bombardearam o bairro onde vivia em Mariupol. 

O menino ucraniano deixou de falar, começou a repetir palavras de forma compulsiva e a fazer desenhos que os adultos não compreendiam. Foi diagnosticado com autismo. 

Precisou de anos para recuperar o bem-estar, até que a 24 de fevereiro, voltou tudo outra vez. 

“Nós vivíamos na parte leste da cidade, mas mudámo-nos para o centro. Pensámos que lá seria mais seguro. Ninguém acreditava que eles conseguissem chegar ao centro da cidade. Parecia que eles apenas iam atacar a periferia da cidade. Os nossos iam repelir o ataque e a cidade continuaria a ser ucraniana. Mas não foi isso que aconteceu. A partir do dia 2 de março começou o horror na cidade”, conta a família à SIC.  

Há dois meses que Maks encontrou tranquilidade em Dnipro. Está a trabalhar com um psicólogo. Está mais calmo e, pelos menos, agora, já consegue dormir

“É que nós vimos tudo. Havia estilhaços a voar pelo nosso apartamento no centro da cidade. As janelas caíram e só por milagre é que não fomos atingidos por estilhaços”. 

“Ele viu tudo. Ele viu as pessoas a cavar sepulturas, vizinhos a enterrarem corpos no quintal. Mas o pior foi quando saímos no dia 21 de março. Um ataque aéreo atingiu a cidade e fez uma cratera com seis metros de profundidade. O nosso vizinho perdeu um braço e meu filho viu isso tudo”.  

Na associação Eu sou Mariupol, em Dnipro, recebem ajuda do Estado e dos voluntários. Também eles de Mariupol. 

Mariupol chegou a ter mais de meio milhão de habitantes. Agora já não restam nem 100 mil. Neste momento não há nenhuma geração de ucranianos que não saiba o que é a guerra. Uma experiência que todos dispensavam. 

Saiba mais

Últimas Notícias
Mais Vistos