Guerra Rússia-Ucrânia

Ikea anuncia “redução das suas atividades” na Rússia e Bielorrússia

Ikea anuncia “redução das suas atividades” na Rússia e Bielorrússia

Na sequência da invasão russa à Ucrânia.

O Ikea vai “reduzir as suas atividades na Rússia e Bielorrússia”, depois de ter suspendido as operações no início da invasão russa da Ucrânia, divulgou esta quarta-feira grupo sueco de mobiliário e objetos para o lar.

“As vendas e as cadeias de suprimentos foram muito afetadas em todo o mundo e não achamos possível retomar a nossa atividade em breve” na Rússia e na Bielorrússia, especifica, em comunicado, o grupo Ingka, que administra a maioria das lojas Ikea.

Como muitas empresas estrangeiras, a Ikea suspendeu as operações na Rússia e na Bielorrússia no momento em que Moscovo iniciou a invasão à Ucrânia.

“Infelizmente, a situação não melhorou e esta guerra devastadora continua”, destacou o grupo, acrescentando que “decidiu entrar numa nova fase de redução das atividades da empresa na Rússia e na Bielorrússia”.

O grupo explicou que as atividades de vendas “serão interrompidas e que a força de trabalho será reduzida, o que implica que muitos funcionários serão afetados”.

EMPRESA EMPREGA 12.500 DOS 15.000 FUNCIONÁRIOS DA IKEA

O porta-voz da Ingka referiu à agência France-Presse (AFP) que a empresa, que emprega 12.500 dos 15.000 funcionários da Ikea na Rússia, ainda não pode adiantar detalhes sobre o número de dispensas.

O Ingka acrescentou que planeia vender o seu “stock de móveis” e que a produção na Rússia “reduzirá a sua força de trabalho e começará a procurar um novo comprador para as suas quatro fábricas”.

Os dois departamentos de compras e logística, em Moscovo e Minsk, também serão permanentemente encerrados.

O sindicato da fábrica da Ikea em Tikhvin, na região de Leningrado, revelou que “os salários serão pagos e o seguro de saúde mantido até 31 de agosto” e que “a partir de 1 de julho, o governo garantirá aos funcionários a entrega de sete a oito salários de compensação”.

“Metade dos funcionários será convidado a sair”, destacou este sindicato, que apelou aos funcionários para se unirem para exigir “garantias” aos novos proprietários, bem como 12 a 18 salários para uma saída voluntária.

Com LUSA

SAIBA MAIS

ESPECIAL CONFLITO RÚSSIA-UCRÂNIA

Últimas Notícias
Mais Vistos