Guerra Rússia-Ucrânia

UE e NATO vão apoiar "o tempo que for preciso" a luta ucraniana pela independência

UE e NATO vão apoiar "o tempo que for preciso" a luta ucraniana pela independência
STEFANI REYNOLDS
Ucrânia comemora o Dia da Independência, na mesma data em que se cumprem seis meses da ofensiva militar da Rússia contra o país.

A União Europeia (UE) e a NATO prestaram esta quarta-feira tributo à luta do povo ucraniano pela sua independência e garantiram que continuarão a prestar apoio à Ucrânia face à agressão militar russa "o tempo que for preciso".

No dia em que se celebra o Dia da Independência da Ucrânia e se assinalam simultaneamente seis meses desde o início da invasão lançada pela Rússia em 24 de fevereiro, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, reafirmou o compromisso da UE com a luta que está a ser travada pelos ucranianos para defender o seu país.

"Caros cidadãos da Ucrânia, nunca poderemos igualar os sacrifícios que estão a fazer todos os dias. Mas podemos e vamos estar ao vosso lado. A UE tem estado convosco nesta luta desde o início. E estaremos ao vosso lado durante o tempo que for preciso", escreveu a presidente do executivo comunitário na sua conta oficial na rede social Twitter.

A líder do executivo comunitário já assinalara a data à passagem da meia-noite, publicando uma fotografia do edifício-sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, iluminado com as cores da bandeira ucraniana, azul e amarelo.

"Esta noite, a Comissão Europeia 'veste-se' de amarelo e azul, para mostrar o nosso apoio à Ucrânia. Orgulhamo-nos de estar com os nossos amigos ucranianos na sua luta por um futuro livre, independente e europeu", escreveu.

Também a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, recorreu à sua conta oficial na rede social Twitter para assinalar o Dia da Independência da Ucrânia, que, sublinhou, "este ano tem um significado mais poderoso do que nunca", já que os "bravos e fortes cidadãos da Ucrânia estão a lutar pelas suas vidas, pelas suas famílias, pelo seu país, pelos seus valores, escolhas, liberdade e pela sua independência".

"A UE estará sempre ao lado da Ucrânia. O nosso apoio não vai parar aqui", assegurou.

O Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE), o corpo diplomático da UE, cuja sede também foi iluminada na madrugada desta quarta-feira com as cores azul e amarela, assinalou o Dia da Independência da Ucrânia e prestou homenagem ao combate do povo ucraniano face à agressão militar russa, antecipando que "o destino vai sorrir" à Ucrânia e à Europa.

"Felicitamos os ucranianos que assinalam o seu Dia da Independência enquanto defendem e lutam por ela. Estaremos sempre ao lado da Ucrânia e da Liberdade. Slava Ukraini", lê-se numa publicação na conta oficial no Twitter do SEAE, dirigido pelo Alto Representante Josep Borrell.

Na mesma linha, o secretário-geral da NATO, organização transatlântica cujo 'quartel-general' também está instalado em Bruxelas, prestou igualmente tributo à luta do povo ucraniano, garantindo igualmente a Kiev que pode continuar a contar com o apoio da Aliança Atlântica "o tempo que for preciso".

"No Dia da Independência da Ucrânia, presto homenagem às corajosas mulheres e homens ucranianos que lutam pela sua liberdade e pelo seu país. A NATO tem apoiado a Ucrânia desde a sua independência e podem continuar a contar com a NATO durante o tempo que for preciso. A Ucrânia vai prevalecer!", escreveu Jens Stoltenberg, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

A Ucrânia comemora o Dia da Independência, na mesma data em que se cumprem seis meses da ofensiva militar da Rússia contra o país, iniciada em 24 de fevereiro.

A data, que comemora este ano o 31.º aniversário da independência da Ucrânia - declarada em 24 de agosto de 1991, pouco antes da dissolução formal da União Soviética, de que fazia parte -, é assinalada com restrições e medidas adicionais de segurança um pouco por todo o país, devido ao receio de mais ataques russos numa semana de forte simbolismo.

A efeméride será também assinalada em outras cidades europeias, como é caso de Lisboa, com a realização de uma cerimónia simbólica comemorativa, e de Berlim, onde está agendada uma "marcha pela liberdade".

Ao longo dos últimos seis meses, o conflito no território ucraniano deixou um rasto de destruição no país, provocou um número incerto de vítimas civis e de prisioneiros, mobilizou milhões em ajuda militar e humanitária e suscitou sanções contra Moscovo e várias mudanças no cenário geoestratégico mundial.

A ONU já confirmou a morte de mais de 5.500 civis, mas continua a alertar que o número será consideravelmente superior.No campo dos prejuízos e da destruição de infraestruturas, a Escola de Economia de Kiev (KSE) anteviu recentemente que as perdas causadas pela guerra poderão rondar os 113.500 milhões de dólares (mais de 114.000 milhões de euros, ao câmbio atual).

Últimas Notícias
Mais Vistos