Guerra Rússia-Ucrânia

Kiev pede à Rússia para parar de bombardear acessos à central de Zaporijia

Kiev pede à Rússia para parar de bombardear acessos à central de Zaporijia
GENYA SAVILOV
Corredores são usados pelos peritos da Agência Internacional de Energia Atómica.

A Ucrânia pediu esta quarta-feira à Rússia para parar de bombardear a estrada de acesso à central nuclear de Zaporijia, atualmente sob controlo russo, no dia em que os peritos da ONU chegaram à cidade.

"As tropas de ocupação russas devem parar de disparar nos corredores usados pela delegação da AIEA e não interferir nas suas atividades na central", escreveu o porta-voz diplomático ucraniano, Oleg Nikolenko, na rede social Facebook.

A caravana da Agência Internacional de Energia Atómica composta por cerca de 20 carros, metade dos quais com a inscrição ONU, e uma ambulância, entrou na cidade ao início da tarde.

Na terça-feira, a comitiva encontrou-se com o Presidente ucraniano, que pediu ajuda para tentar evitar uma catástrofe nuclear em Zaporijia.

“Queremos que a missão da AIEA liderada pelo diretor-geral (Rafael) Grossi encontre um caminho através (...) de corredores de segurança para chegar à central e fazer o máximo para evitar os perigos de um desastre nuclear”.

Zelensky defende que a comunidade internacional deve obter da Rússia a promessa de "uma desmilitarização imediata da central, a saída de todos os soldados russos com todos os seus explosivos e todas as suas armas", bem como o regresso desta instalação para o controlo ucraniano.

A central de Zaporijia é a maior da Europa, com seis reatores com capacidade de 1.000 megawatts cada.

A central caiu nas mãos das tropas russas em março, logo após Moscovo ter iniciado a invasão da Ucrânia, tendo sido alvo de vários bombardeamentos pelos quais tanto Moscovo como Kiev negam responsabilidade.

Na semana passada, a central foi por momentos desligada da rede elétrica, pela primeira vez na sua história, depois de as linhas de energia terem sido danificadas.

Últimas Notícias
Mais Vistos