Guerra Rússia-Ucrânia

Corpos exumados em Izium revelam "sinais de morte violenta"

Corpos exumados em Izium revelam "sinais de morte violenta"
Anadolu Agency/Getty Images
"Bucha, Mariupol, agora, infelizmente, Izium. A Rússia deve ser responsabilizada", prometeu Zelensky.

O governador regional de Kharkiv, Oleg Synegoubov, adiantou esta sexta-feira que 99% dos corpos exumados em Izium, cidade do leste da Ucrânia recentemente recuperada pelas forças de Kiev aos russos, "mostram sinais de morte violenta".

"Há vários corpos com as mãos amarradas nas costas e uma pessoa está enterrada com uma corda no pescoço. Obviamente, estas pessoas foram torturadas e executadas", frisou Oleg Synegoubov através da rede social Telegram.

Na mesma publicação, o governador regional de Kharkiv apresentou imagens de centenas de sepulturas encontradas perto de Izium. Segundo o próprio, "450 corpos de civis com vestígios de morte violenta e tortura foram enterrados" neste local descoberto pelas autoridades ucranianas.

Oleg Synegoubov acrescentou que "também havia crianças" entre os corpos exumados durante o dia pelos "200 agentes e especialistas" que trabalham no local. No início do dia, um jornalista da agência France-Presse (AFP) conseguiu ver pelo menos um corpo com as mãos amarradas com uma corda no mesmo local, sem poder esclarecer imediatamente se era um civil ou um soldado, pois o corpo estava degradado.

A contraofensiva lançada no início de setembro pelo Exército ucraniano na região possibilitou a reconquista de territórios até então ocupados por tropas de Moscovo. Anteriormente acusado de crimes de guerra em outras regiões da Ucrânia, principalmente em torno de Kiev nas primeiras semanas do conflito, Moscovo tem rejeitado sempre essas acusações.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, acusou esta sexta-feira as forças russas de "assassínios" e "torturas", depois das centenas de túmulos descobertos numa floresta perto de Izium.

"Bucha, Mariupol, agora, infelizmente, Izium. A Rússia (...) deve ser responsabilizada", prometeu o líder ucraniano.

As autoridades ucranianas já disseram que também encontraram evidências de tortura em outros lugares da região. O responsável dos Direitos Humanos ucraniano, Dmytro Loubinets, referiu também, através do Telegram, que "provavelmente mais de 1.000 cidadãos ucranianos foram torturados e mortos nos territórios libertados da região de Kharkiv".

Várias testemunhas e um investigador ucraniano disseram que alguns foram baleados e que outros foram mortos por fogo de artilharia, minas ou ataques aéreos. A agência de Direitos Humanos da ONU já disse que vai investigar as mortes.

As autoridades acreditam que a maioria das pessoas enterradas sejam civis, mas havia pelo menos uma vala comum onde foram descobertos 17 soldados ucranianos.

Últimas Notícias
Mais Vistos