Incêndio na Notre-Dame

França está à procura de pedras semelhantes às danificadas no incêndio da Notre-Dame

A catedral de Notre Dame, em Paris, França.

IAN LANGSDON

Para as substituir nas obras de reconstrução.

O Instituto francês de Investigação Geológica e Mineira e o organismo público que gere as obras em Notre-Dame lançaram um programa para identificar e selecionar pedras compatíveis com o edifício e substituir as que ficaram danificadas no incêndio.

Num comunicado divulgado na quarta-feira, os responsáveis pela reconstrução e restauro da catedral referem que o incêndio de 15 de abril de 2019 danificou elementos "importantes" da construção, sendo necessário encontrar uma grande quantidade de pedras que sejam semelhantes às do monumento.

Estudo está a ser realizado por geólogos, técnicos de laboratório e outros especialistas

O programa de pesquisa agora divulgado traduz-se na identificação, caracterização e seleção de pedras "estética e fisicamente compatíveis" com as danificadas e servirá também para criar um guia de referência metodológica para a catedral de Notre-Dame e outros monumentos da região de Paris.

A investigação, que teve início em julho, consiste no estudo geológico de pedreiras e testes laboratoriais com diversas amostras, sendo realizada por geólogos, técnicos de laboratório e outros especialistas e sedimentos e geomática.

As pedras originais da catedral foram extraídas do subsolo da cidade, de uma vasta zona de rochas calcárias que se formou há mais de 41 milhões de anos e onde ainda existem cerca de uma dezena de pedreiras.

Durante esta pesquisa, os investigadores vão estudar as características destas pedras com o objetivo de encontrar as mais adequadas para a restauração da catedral.

Objetivo é que obras terminam em 2024

Hoje, o porta-voz do Governo francês Gabriel Attal indicou que o Presidente Emmanuel Macron mantém o objetivo de que as obras fiquem concluídas em 2024.

A catedral encontrava-se em obras de restauro no seu exterior quando, em abril de 2019, deflagrou um violento incêndio que demorou cerca de 15 horas a ser extinto.

A origem acidental do incêndio, um curto-circuito, continua a ser privilegiada, embora a causa do fogo não esteja esclarecida, e os resíduos calcinados deverão ser analisados ao pormenor para detetar o menor indício.

As obras de Notre-Dame têm enfrentado vários imprevistos, desde a necessidade de adotar medidas contra a contaminação por chumbo até à crise do novo coronavírus, passando pelo mau tempo no final de 2019, mas foram retomadas no final de abril.

  • 14:54