Jogos Olímpicos

De Olímpia para o estádio olímpico: a chama que não se apaga

Naoki Ogura

Preparada para aguentar quaisquer que sejam as condições climatéricas, a tocha olímpica transporta, da cidade grega de Olímpia até ao estádio olímpico, a chama que deve ser mantida acesa durante toda a duração dos Jogos Olímpicos.

Símbolo dos Jogos Olímpicos, a chama olímpica deve manter-se acesa durante toda a duração da competição, uma tradição que remonta aos primórdios dos Jogos da Antiguidade e que foi reintroduzida, na era moderna, nos Jogos de Verão de 1896.

Elemento divino

Na mitologia grega, o fogo era considerado um elemento divino, símbolo de pureza, amizade, razão e paz, motivo pela qual eram mantidas acesas chamas, de forma permanente, nos principais templos gregos.

A simbologia foi transportada para os Jogos Olímpicos da Antiguidade, onde os campeões tinham o privilégio de transportar a tocha olímpica para o altar de Zeus, o maior deus da mitologia grega, acendendo o altar em sua honra.

Com o domínio romano e a proibição de realização das Olimpíadas, extinguiu-se também a tradição da chama olímpica, que só voltaria a ser acesa nos primeiros Jogos da era moderna, em Atenas, em 1896.

Foi ainda mais tarde, nas Olimpíadas de 1936 em Berlim, que seria recriado, pela primeira vez, o percurso da Chama Olímpica, com um grupo de atletas a transportar a chama das ruínas do tempo de Hera, em Olímpia - cidade grega palco dos Jogos da Antiguidade – para o Estádio Olímpico de Berlim.

Tocha Olímpica - Berlim 1936

Tocha Olímpica - Berlim 1936

De mão em mão até ao destino final

Na atualidade, a chama olímpica é acesa uns meses antes da realização dos Jogos, em Olímpia, junto às ruínas do templo de Hera, numa cerimónia onde é recriado o método utilizado na antiguidade para dar início aos Jogos.

Depois, a chama é transportada até ao local do antigo estádio de Olímpia, onde é acesa a tocha olímpica, que será transportada, de mão em mão, no percurso que a leva até ao estádio da cidade anfitriã.

A tocha olímpica é um dos elementos mais emblemáticos da competição e deve ser criada de forma a manter a chama acesa, independentemente das condições climatéricas, durante todo o percurso.

O percurso da chama olímpica tem como objetivo anunciar o início dos Jogos Olímpicos e é realizado por atletas, personalidades e pessoas anónimas. O percurso termina quando é acesa a Pira Olímpica, no estádio, permanecendo acesa durante toda a duração dos Jogos Olímpicos.

Chama já andou de barco, avião e debaixo de água

A chama olímpica viajou de barco pela primeira vez em 1948, para atravessar o Canal da Mancha. O primeiro voo foi em 1952, com destino a Helsínquia. Em 2000, a tocha foi transportada debaixo de água na Grande Barreira de Coral.

Stringer .

O ritual da pira

Especial Jogos Olímpicos