Jogos Olímpicos

Tóquio 2020. Atleta bielorrussa recusou embarcar no voo para regressar a casa

Passou a noite no hotel do aeroporto, sob proteção policial.

A atleta olímpica bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya, que diz ter sido forçada a retirar-se dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, recusou embarcar no voo de regresso a casa e passou a noite no hotel do aeroporto, sob proteção policial.

A ordem de regresso à Bielorrússia terá sido dada pelo Governo de Lukashenko depois de, no fim de semana, a atleta ter criticado a federação e os treinadores nas redes sociais devido a uma inscrição de última hora na prova de atletismo de 400 metros, depois de os atletas da categoria não terem sido considerados elegíveis por não terem feito todos os testes antidoping.

"Caso me tivesse avisado previamente, explicado toda a situação e perguntado se seria capaz de correr os 400 metros, não reagiria de maneira tão severa. Mas decidiram fazer tudo nas minhas costas", escreveu a atleta.

Entretanto, a jovem também já pediu asilo político. A Polónia, a República Checa e a França já se ofereceram para a receber. O Comité Olímpico Internacional confirma que a atleta está em segurança e em contacto com as Nações Unidas.

Este incidente ocorre num momento em que o regime do Presidente Alexander Lukashenko prossegue uma repressão generalizada sobre os opositores com o objetivo de terminar em definitivo com o amplo movimento de contestação de 2020 contra a sua reeleição para um quinto mandato.