Jorge Sampaio 1939-2021

A vida de Jorge Sampaio: da oposição à ditadura à defesa dos direitos dos refugiados

A oposição à ditadura foi a primeira grande luta de Jorge Sampaio, mais tarde promoveu e negociou a libertação dos presos políticos. Desde 2013 desenvolveu um programa para apoiar estudantes refugiados e no final de agosto de 2021 anunciou um programa de emergência de bolsas de estudo para jovens afegãs.

A primeira grande luta de Jorge Sampaio foi a oposição à ditadura. Nos anos 60 foi um dos líderes do movimento de contestação académica quando estudava na Faculdade de Direito de Lisboa.

Mais tarde promoveu e negociou a libertação dos presos políticos e foi um dos advogados que esteve na prisão de Caxias no dia 26 de abril de 74.

Foram as preocupações com o mundo que o levaram para a política partidária, em 1978, quando entrou para o Partido Socialista. Foi deputado, líder parlamentar, secretário-geral do PS, presidente da Câmara de Lisboa e Presidente da República, eleito por duas vezes.

Em 2006 foi escolhido pela ONU para ser enviado especial para a luta contra a tuberculose e pouco tempo depois foi designado como Alto Representante para a Aliança das Civilizações.

Durante a vida condecorou e foi condecorado. Em 2015 recebeu o prémio Nelson Mandela, nas Nações Unidas, em Nova Iorque, e o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa distinguiu-o com a Ordem do Infante D. Henrique por causa do trabalho com os estudantes sírios que desenvolveu desde 2013.

No final de agosto de 2021 anunciou ainda um programa de emergência de bolsas de estudo para jovens afegãs.

Desde a defesa dos direitos dos refugiados à política, Jorge Fernando Branco de Sampaio dizia-se discreto e muitas vezes optou pela luta e rutura contra o que considerava uma injustiça.

O antigo Presidente da República morreu esta sexta-feira de manhã. Estava internado no Hospital de Santa Cruz, em Carnaxide, desde o dia 27 de agosto, na sequência de dificuldades respiratórias. Jorge Sampaio tinha 81 anos.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros