Jorge Sampaio 1939-2021

Jorge Sampaio teve uma "extrema coragem em momentos difíceis" 

Opinião

Ricardo Costa, diretor de Informação da SIC, sobre Jorge Sampaio. 

Ricardo Costa, diretor de Informação da SIC, considera que Jorge Sampaio foi o "primeiro Presidente normal na história desta República".

A presidência de Ramalho Eanos marca a transição e Mário Soares era o político português mais importante da segunda metade do século XX, explica.

O diretor de informação da SIC lembra o antigo Presidente da República como advogado, uma pessoa que cria "relações muito fortes com as pessoas" e um "líder académico extraordinariamente importante". Sublinha ainda que Jorge Sampaio representou uma "série de presos políticos".

Ricardo Costa salienta que teve coragem nos momentos certos, como quando avançou para a liderança do Partido Socialista quando todos achavam que era Guterres a avançar, quando avançou para a liderança da Câmara de Lisboa ao mesmo tempo que era líder do partido e quando avançou sozinho para a Presidência da República e ganhou a Cavaco Silva.

"Não era um político estratosférico como Mário Soares (...), não foi uma pessoa que marcou a governação do país como Cavaco Silva, mas teve uma marca muito interessante e importante de extrema coragem em momentos difíceis".

Ricardo Costa realça ainda o momento em que Jorge Sampaio dissolveu a Assembleia da República e convocou eleições, durante o governo de Pedro Santana Lopes.

Morreu Jorge Sampaio

O antigo Presidente da República morreu esta sexta-feira, a informação foi confirmada por fonte da família. Estava internado no Hospital de Santa Cruz, em Carnaxide, desde o dia 27 de agosto, na sequência de dificuldades respiratórias. Jorge Sampaio tinha 81 anos.

Sampaio estava de férias com a família no Algarve quando teve de ser internado no Hospital de Portimão, tendo depois sido transferido para o Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, onde era acompanhado.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros