Polígrafo SIC Europa

A União Europeia é um dos blocos mais atrasados na vacinação?

Dado Ruvic

A Comissão Europeia financiou vários laboratórios para a produção e investigação das vacinas contra a Covid-19. Mas apesar de todos estes esforços, a Comissão tem enfrentado vários constrangimentos que estão a colocar em causa as metas estabelecidas no Plano de Vacinação.

Nos meios de comunicação, assim como nas redes sociais, são várias as publicações que reportam que a União Europeia (UE) está a atravessar um processo de vacinação lenta em comparação com as restantes potências mundiais. Vários incidentes têm contribuído para esta perceção, nomeadamente os atrasos nos carregamentos das vacinas da AstraZeneca, assim como o medo dos efeitos secundários provocados pela vacina deste laboratório, que recentemente levaram vários países da União a suspender a sua administração, entretanto retomada.

Mas será verdade que estes incidentes colocaram a UE numa posição muito atrasada em relação ao resto do mundo?

Na estratégia de vacinação da União Europeia, apresentada a 17 de junho de 2020, a Comissão Europeia estabeleceu dois grandes objetivos:

- No final de março de 2021 ter pelo menos 80% da população com mais de 80 anos e dos profissionais de saúde vacinados em todos os Estados-membros

- Até ao Verão ter no mínimo 70% da população adulta vacinada”

Para este feito, as farmacêuticas foram financiadas com 2,7 mil milhões de euros, de forma a acelerarem o processo de produção e investigação.

Até ao momento, foram administradas 51 milhões de doses. Mas em relação às restantes potencias mundiais, a União Europeia é um dos blocos com a menor percentagem de população vacinada. De acordo com os dados da plataforma Our World in Data, Israel continua a liderar, com quase toda a população vacinada. Seguem-se os Emirados Árabes Unidos (quase 80% dos cidadãos vacinados), seguidos pelo Reino Unido (mais de 40%), pelos Estados Unidos (40%). A União Europeia ainda se encontra abaixo dos 20%. Um pouco mais abaixo só o Brasil, a Rússia e a China.

Quanto aos objetivos estabelecidos, a União Europeia está longe de cumprir a primeira meta: vacinar pelo menos 80% da população idosa e dos profissionais de saúde até março. Já na reta final do mês de março, apenas 55,8% da população com mais de 80 anos foi administrada com a primeira dose. A percentagem de profissionais de saúde vacinados é mais elevada, mas está ainda longe da meta: 61,2% só deste grupo de risco foi vacinado até agora. Pode consultar estes dados aqui.

Ao Polígrafo SIC Europa, fonte oficial da Comissão Europeia afirmou que com a vacina da Johnson & Johnson aprovada espera-se que o processo de vacinação evolua, já que esta vacina só necessita de uma dose para ser eficaz. Quanto aos objetivos, a Comissão garante que “tendo em conta os carregamentos encomendados, será possível alcançar o objetivo de vacinar 70% da população adulta até ao final do verão.”

Apesar destes esforços, é verdade que a União Europeia é um dos blocos mais atrasados no processo de vacinação, não tendo sido capaz de cumprir com a primeira meta, estabelecida em junho de 2020.

Avaliação Polígrafo SIC Europa: Verdadeiro

Veja também:

A União Europeia nem sempre é bem entendida e muitas vezes é alvo de notícias falsas e manipulações.

No ano em que Portugal assume pela quarta vez a presidência da UE, entre 1 de janeiro e 30 de junho, o Polígrafo SIC abre espaço ao fact-checking dedicado aos assuntos europeus e à forma como influenciam os 27 Estados-membros.

"Este projeto foi cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa de subvenções do Parlamento Europeu no domínio da comunicação. O Parlamento Europeu não foi associado à sua preparação e não é de modo algum responsável pelos dados, informações ou pontos de vista expressos no contexto do projeto, nem está por eles vinculado, cabendo a responsabilidade dos mesmos, nos termos do direito aplicável, unicamente aos autores, às pessoas entrevistadas, aos editores ou aos difusores do programa. O Parlamento Europeu não pode, além disso, ser considerado responsável pelos prejuízos, diretos ou indiretos, que a realização do projeto possa causar.”