Polígrafo SIC Europa

A Alemanha irá comprar vacinas Sputnik V, mesmo sem a autorização da EMA?

Dado Ruvic

A Sputnik V está em processo de avaliação na EMA, desde março. Entretanto, a Comissão Europeia já contratualizou 50 milhões de vacinas da Pfizer que estão a chegar ao bloco europeu desde abril.

Algumas publicações a circular nas redes sociais afirmam que as negociações entre Moscovo e Berlim para a compra da vacina russa Sputnik V acabaram. Uma das razões apontadas para tem que ver com o processo de avaliação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que está a demorar mais tempo do que o esperado. A Alemanha queria começar a receber a Sputnik V em junho, mas a agência europeia ainda não autorizou a vacina russa, o que levantou uma dúvida junto de muitos: será que a Alemanha poderá comprar as vacinas ao regime de Vladimir Putin mesmo sem estas terem sido autorizadas pela EMA?

De acordo com o Bild, um jornal tabloide alemão, “a Rússia não irá ser capaz de enviar as vacinas em junho e julho, porque não tem as matérias-primas necessárias. Além disso, a aprovação da vacina russa pela EMA está a demorar mais tempo do que o esperado”. Neste sentido, o jornal avança que as negociações entre o Governo alemão e Moscovo estão estagnadas.

O Fundo Russo de Investimento Direto (um fundo soberano criado pelo governo russo em 2011 para fazer co-investimentos de capital, sobretudo na Rússia, juntamente com importantes investidores financeiros e estratégicos internacionais) esclareceu, a 9 de maio, que “a informação publicada no Bild não corresponde à realidade. As negociações com a Alemanha para a compra das vacinas continuam. A Sputnik V será fornecida à Alemanha o mais tardar em junho deste ano e não irá comprometer o fornecimento de vacinas a outros países”.

No site da Agência Europeia de Medicamentos, indica-se que a Sputnik V encontra-se em avaliação desde 4 de março. Num comunicado, a autoridade máxima do medicamento na Europa esclarece que “os estudos indicam que a vacina em avaliação estimula a produção de anticorpos contra a Covid-19. No entanto, a apreciação irá continuar até que seja possível concluir se os benefícios da vacina superam os riscos. Não é possível prever quanto tempo é que a avaliação irá demorar, mas o processo não deverá exceder o tempo normal, porque a maioria dos testes já foram feitos na fase anterior”.

O primeiro-ministro do estado federado da Saxónia, Michael Kretschmer, afirmou no Twitter, a 22 de abril, que “a Alemanha está a negociar mais de 30 milhões de doses da Sputnik V para serem entregues em junho, julho e agosto. O pré-requisito para a compra é que a EMA aprove rapidamente a vacina. Esperamos que o processo de aprovação esteja concluído em maio”.

De acordo com a Reuters, a chanceler alemã Angela Merkel, explicou que “se a autorização chegar a tempo, então compraremos a Sputnik à Rússia. Mas se a vacina só for autorizada daqui a uns meses, já teremos quantidades suficientes nessa altura e, por isso, será necessário repensar se faz sentido comprar mais vacinas”.

A Comissão Europeia contratualizou com a BioNTech/Pfizer a chegada de mais 50 milhões de doses de vacinas à União Europeia. Este novo carregamento chegará no segundo trimestre do ano. Além disso, foi acordado um abastecimento até 2023 de 1,8 mil milhões de doses da vacina da Pfizer.

Em suma, é falso que a Alemanha compre vacinas à Rússia sem que a EMA aprove a Sputnik V primeiro.

Avaliação Polígrafo SIC Europa: Falso

Veja também:

A União Europeia nem sempre é bem entendida e muitas vezes é alvo de notícias falsas e manipulações.

No ano em que Portugal assume pela quarta vez a presidência da UE, entre 1 de janeiro e 30 de junho, o Polígrafo SIC abre espaço ao fact-checking dedicado aos assuntos europeus e à forma como influenciam os 27 Estados-membros.

"Este projeto foi cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa de subvenções do Parlamento Europeu no domínio da comunicação. O Parlamento Europeu não foi associado à sua preparação e não é de modo algum responsável pelos dados, informações ou pontos de vista expressos no contexto do projeto, nem está por eles vinculado, cabendo a responsabilidade dos mesmos, nos termos do direito aplicável, unicamente aos autores, às pessoas entrevistadas, aos editores ou aos difusores do programa. O Parlamento Europeu não pode, além disso, ser considerado responsável pelos prejuízos, diretos ou indiretos, que a realização do projeto possa causar.”