Protestos em Hong Kong

EUA ameaçam aplicar mais sanções à China por causa de Hong Kong

TYRONE SIU/ REUTERS

Deputados pró-democracia de Hong Kong anunciaram a renúncia em bloco ao conselho legislativo da região semiautónoma da China, após quatro terem sido afastados sob pretexto de constituírem uma ameaça à segurança nacional.

Os EUA ameaçaram esta quinta-feira a China com novas sanções, por ter, alegaram, "violado de maneira flagrante" a autonomia de Hong Kong, ao anular o mandato de quatro deputados pró democracia.

"As ações recentes de Pequim, a desqualificar os legisladores pró democracia do Conselho Legislativo de Hong Kong, não deixam qualquer dúvida sobre o facto de o Partido Comunista Chinês ter violado de maneira flagrante os seus compromissos internacionais", declarou Robert O'Brien, o conselheiro para a segurança nacional de Donald Trump.

Acrescentou que os EUA vão continuar "a identificar e sancionar os responsáveis pela extinção da liberdade em Hong Kong".

Na quarta-feira, quatro deputados pró democracia de Hong Kong foram demitidos do seu mandato, depois da adoção por Pequim de uma resolução que dá às autoridades locais o poder de desqualificar eleitos considerados como ameaça à segurança nacional.

Pouco depois, o conjunto dos deputados pró democracia em Hong Kong anunciaram a sua próxima demissão, em solidariedade com os seus quatro colegas demitidos.

Estas demissões são o golpe mais recente dado ao campo pró democracia que é alvo de ataques permanentes, desde que Pequim impôs no final de junho uma lei sobre a segurança nacional. Numerosos militantes foram desde então detidos enquanto outros optaram pelo exílio.