Tragédia em Pedrógão Grande

Vítimas da zona de Pedrógão Grande recebem 71 toneladas de bens

As vítimas dos incêndios de junho na zona de Pedrógão Grande receberam cerca de 71 toneladas de bens da Associação de Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), que foram já totalmente distribuídos, anunciou esta terça-feira o organismo.

Esta campanha foi lançada imediatamente após os incêndios e permitiu recolher "bens alimentares, produtos de higiene, ração para animais, materiais de construção e agricultura, mobiliário diverso, roupas, eletrodomésticos, têxtil lar e artigos de puericultura".

O apoio à região afetada vai manter-se através de uma plataforma logística - que agrega restaurantes e alojamentos - e de uma linha de apoio à tesouraria das empresas, criada pelo Turismo de Portugal.

Segundo um comunicado da associação, este projeto constitui um "apoio muito significativo para os milhares de pessoas atingidas por esta tragédia".

A iniciativa lançada pela AHRESP, pela Associação Empresarial da Beira Baixa e pelo Banco Alimentar foi "um êxito", considerou a associação nacional.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande (distrito de Leiria) provocou 64 mortos e mais de 200 feridos. No mesmo dia (17) um fogo de grandes dimensões deflagrou em Góis (distrito de Coimbra).Ambos os incêndios florestais, que demoraram uma semana a serem extintos, se alastraram a outros concelhos da região Centro.

A área destruída por estes dois fogos corresponde a praticamente um terço da área ardida em Portugal em 2016, que totalizou 154.944 hectares, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna divulgado pelo Governo em março.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

Das vítimas do incêndio que começou em Pedrógão Grande, pelo menos 47 morreram na Estrada Nacional 236.1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, concelhos também atingidos pelas chamas. Cerca de 40 empresas foram afetadas por estes fogos.

Lusa