Vacinar Portugal

Covid-19. Cruzar duas vacinas pode criar problemas?

É uma possibilidade para quem tomou a primeira dose da vacina da AstraZeneca.

Uma vez que a vacina da AstraZeneca foi suspensa em Portugal para menores de 60 anos, existe a possibilidade de os indíviduos que tomaram a primeira dose desta vacina virem a tomar uma segunda dose de uma vacina de outra marca.

Para Luís Graça, imunologista e membro da Comissão Técnica de vacinação covid-19, esta estratégia não é um problema. Segundo explica, todas as vacinas apresentam ao sistema imunitário a mesma proteína, a protéina Spike, e o que se sabe é que é importante dar ao sistema imunitário uma segunda apresentação do mesmo alvo para a proteção ser potenciada.

No entanto, o imunologista sublinha que as pessoas que receberam a primeira dose da vacina da AstraZeneca já têm uma proteção considerável.

"Apresentando-se a mesma proteína é de esperar - toda a ciência sugere - qualquer outra combinação da vacina vai dar uma resposta muito robusta", disse.

Luís Graça aproveitou ainda para referir que as segundas doses da vacina da AstraZeneca só iam começar a ser administradas em maio e, por isso, ainda há tempo para analisar todas as possibilidades.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros