Vacinar Portugal

Covid-19. Ordem dos Enfermeiros a favor do levantamento de patentes das vacinas

Valentyn Ogirenko

"A vacina construída e encontrada pelas farmacêuticas não foi exclusivamente com dinheiro privado."

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE) afirmou esta terça-feira que é a favor do levantamento de patentes das vacinas contra a covid-19, salientando que essa medida será essencial para os fármacos chegarem aos países mais pobres.

"A vacina construída e encontrada pelas farmacêuticas não foi exclusivamente com dinheiro privado. Foi com dinheiro de todos nós. Todos os estados contribuíram com uma grande parte do financiamento para que estas vacinas pudessem existir hoje e estarem a ser administradas à população", disse Ana Rita Cavaco, durante uma visita a um centro de vacinação em Coimbra.

Para a bastonária, "fazia todo o sentido que se avançasse com o levantamento de patentes", salientando que essa medida poderá ser essencial para os países mais pobres.

"Se não forem os mais ricos a ajudar a terem vacinas, vamos ter um fosso ainda maior entre aqueles que têm acesso à saúde e acesso a determinados medicamentos e os que não têm e vamos assistir, como já está a acontecer em países onde não estão a chegar vacinas por causa do dinheiro, crises relativamente à pandemia muito graves e que custam vidas", frisou.

Para Ana Rita Cavaco, o Governo português deveria ter uma postura clara e "forte" relativamente a este assunto e não ter uma política "de mão estendida", que considera que também aconteceu com a negociação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) na área da saúde.

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que apoiava a suspensão das patentes das vacinas contra a covid-19, uma proposta que tinha sido inicialmente avançada pela Índia e pela África do Sul na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Ainda que políticos europeus como a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ou o Presidente francês, Emmanuel Macron, se tenham mostrado disponíveis para debater a proposta, o governo alemão já se opôs à ideia, assinalando que "o fator limitativo na fabricação de vacinas é a capacidade de produção e os elevados padrões de qualidade, não as patentes".

Na segunda-feira, o primeiro-ministro, António Costa, considerou "injustas" as teses que culpam a Alemanha pela posição menos aberta da União Europeia face ao levantamento das patentes das vacinas contra a covid-19, salientando que a maioria dos Estados-membros segue idêntica linha.