Vacinar Portugal

Vacinação acelera em Portugal. Previsão aponta para 850 mil pessoas vacinadas por semana

Arnd Wiegmann

Aceleração da vacinação deve-se a uma disponibilidade acrescida de doses, que permite aumentar o processo até ao máximo da capacidade de cada centro, um esforço considerado essencial perante a propagação da variante Delta.

Nas próximas duas semanas a vacinação vai acelerar em Portugal. A equipa responsável pelo plano de vacinação em Portugal antecipa que sejam vacinadas cerca de 850 mil pessoas por semana.

A task force explica que foram recebidas vacinas que permitem aumentar o processo até ao máximo da capacidade de cada centro, um esforço considerado essencial perante a propagação da variante Delta. O vice-almirante Gouveia e Melo diz que o objetivo será vacinar cerca de 120 mil pessoas por dia.

As próximas duas semanas, explicou, são decisivas pelo que é expectável que o ritmo de vacinação suba para mais de 120 mil vacinas por dia de forma consistente o que fará com que a vacinação atinja por semana mais de 800 mil vacinas.

"Haverá dias em que podemos chegar ou ultrapassar a capacidade dos 140 mil por dia, vamos alargar horários e reforçar as nossas equipas", acrescenta.

Vacinados com 1ª dose da AstraZeneca até 23 de maio podem receber segunda dose sem marcação

Todas as pessoas que tomaram a primeira dose da vacina a AstraZeneca, até 23 de maio, podem também receber a partir de agora a segunda dose da vacina, sem marcação.

Este aumento de intensidade de vacinação "pode gerar momentos de espera indesejados e a eventual formação mais generalizada de filas nos centros de vacinação", alerta a task force.

O coordenador da task force garantiu, contudo, que fará tudo o que puder para evitar constrangimentos: "Estamos em crer que a população compreende e apoia a necessidade de avançar o ritmo ao máximo que podemos. Há um esforço extraordinário de todos os profissionais de saúde envolvidos para que o processo seja o mais limpo possível. Estamos todos em modo de guerra e agora são os dia D, os dias decisivos dessa guerra", disse o vice-almirante.

Gouveia e Melo referiu ainda que a aceleração da vacinação a um máximo exequível pretende contribuir para que agosto e setembro sejam meses mais calmos em Portugal.

Veja também: