Vacinar Portugal

Ministro da Educação espera que menores possam ser vacinados até ao início do próximo ano letivo

MANUEL DE ALMEIDA

Ministra da Saúde já tinha avançado que os jovens com menos de 18 anos deverão começar a ser vacinados na última semana de agosto.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse esta quinta-feira que espera que até ao início do próximo ano letivo, em setembro, os alunos mais jovens possam ser vacinados contra a covid-19.

"Acreditamos com veemência que a vacinação dos mais jovens deve acontecer o mais rapidamente possível, se possível ainda em agosto", disse o governante, partilhando a vontade anteriormente manifestada pela ministra da Saúde, Marta Temido.

Na semana passada, a ministra da Saúde já tinha avançado que os jovens com idade inferior a 18 anos deverão começar a ser vacinados contra a covid-19 na última semana de agosto, se o Governo conseguir manter o plano de vacinação previsto.

Durante a audição regimental, pela comissão parlamentar da Educação, Ciência, Juventude e Desporto, o ministro Tiago Brandão Rodrigues sublinhou que, se for esse o entendimento das autoridades de saúde, seria positivo se a vacinação desses alunos pudesse estar concluída até ao início do ano letivo.

Esse avanço no processo de vacinação permitirá começar o próximo ano letivo "com maior capacidade para enfrentar esta pandemia", acrescentou.

Também na semana passada, o coordenador da Comissão Técnica de Vacinação Contra a covid-19 confirmou à agência Lusa que está a analisar a vacinação das faixas etárias acima dos 12 anos e deverá emitir parecer antes do arranque do ano letivo.

Em entrevista à agência Lusa, Válter Fonseca, coordenador da comissão técnica, um órgão consultivo da Direção-Geral da Saúde (DGS), disse que o parecer está a ser elaborado e "será naturalmente conhecido para que o planeamento da vacinação possa ser feito atempadamente".

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro