A vacinação em Portugal e no Mundo

Covid-19. Não há provas nos EUA de ligação entre tromboses e vacina da "J&J"

JOHNSON & JOHNSON

Até ao momento não foi estabelecida qualquer ligação de causalidade entre a formação de coágulos sanguíneos e a vacina contra a covid-19 da Johnson&Johnson, declarou a Agência Americana de Medicamentos.

Até ao momento não foi estabelecida qualquer ligação de causalidade entre a formação de coágulos sanguíneos e a vacina contra a covid-19 da Johnson&Johnson, declarou a Agência Americana de Medicamentos, indicando que investigava casos nos EUA.

"A FDA está ao corrente de informações nos Estados Unidos sobre eventos tromboembólicos graves, associados a um baixo nível de plaquetas no sangue, que ocorreram em alguns indivíduos depois de receberem a vacina contra a covid-19 da Janssen", afirmou o regulador norte-americano em comunicado enviado à Agência France Presse, citando o nome da filial europeia da Johnson & Johnson. "Neste momento, não encontrámos ligação de causalidade com a vacinação e continuamos a acompanhar a evolução destes casos", acrescentou a instituição. "Manteremos o público informado assim que tivermos mais informação", assegurou a agência.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) indicou na sexta-feira que estava a investigar ligações entre a vacina da "J&J" e casos de coágulos sanguíneos.

"Um caso ocorreu durante um ensaio clínico e três casos surgiram no quadro da vacinação nos Estados Unidos. Um deles foi fatal", acrescentou a EMA.

A FDA anunciou estar "ao corrente do comunicado da EMA, que tem por ´base´ informações que a agência norte-americana lhe forneceu, "recebidas durante a utilização pós autorização da vacina contra a covid-19 da Janssen" nos Estados Unidos.

A vacina unidose da Johnson & Johnson foi autorizada no final de fevereiro, após as de duas doses da Pfizer/BioNTech e da Moderna. O regulador europeu aprovou também a vacina Johnson & Johnson e a administração nos países da União Europeia deve começar este mês.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros