Os números da Covid-19

Portugal com mais 13 mortes e 3.452 casos de covid-19 em 24 horas

Pedro Nunes

O último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Portugal contabiliza esta quarta-feira mais 13 mortes e 3.452 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.320 mortes e 960.437 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando hoje ativos 51.430 casos, mais 175 em relação ao dia anterior.

As 13 mortes das últimas 24 horas ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (7), na região Norte (5) e na região Centro (1).

O boletim da DGS revela que estão internados 934 doentes, mais 6 do que ontem.

Nos cuidados intensivos estão 200 doentes.

Os dados indicam ainda que mais 3.264 foram dados como recuperados, fazendo subir para 891.687 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 80.475 contactos, mais 248 relativamente ao dia anterior.

TAXA DE INCIDÊNCIA E ÍNDICE DE TRANSMISSIBILIDADE

A taxa de incidência nacional subiu de 427,5 para 428,3 casos de infeção por 100 000 habitantes. No continente aumentou manteve-se nos 439,3 casos de infeção por 100 000 habitantes.

O R(t) nacional voltou a descer - tanto a nível nacional como no continente - 1,04 para 1,01.

Os dados dos indíces R(t) e da incidência são atualizados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

DADOS POR GÉNERO E FAIXA ETÁRIA

A região de Lisboa e Vale do Tejo com a notificação de 1.341 novas infeções, contabiliza até agora 375.628 casos e 7.393 mortos.

Na região Norte foram registadas hoje 1.194 novas infeções por SARS-CoV-2, totalizando 372.461 casos de infeção e 5.414 mortes desde o início da pandemia.

Na região Centro registaram-se mais 358 casos, acumulando-se 128.957 infeções e 3.041 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 115 casos, totalizando 33.375 infeções e 980 mortos desde o início da pandemia.

Na região do Algarve o boletim de hoje revela que foram registados 358 novos casos, acumulando-se 32.163 infeções e 384 mortos.

A região Autónoma da Madeira registou 29 casos, somando 10.532 infeções e 71 mortes devido à covid-19 desde março de 2020.

Os Açores têm hoje 57 novos caso contabilizando 7.321 casos e 34 mortos desde o início da pandemia.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 440.675 homens e 519.107 mulheres, mostram os dados da DGS, segundo os quais há 655 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 9.089 eram homens e 8.231 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

Do total de mortes, 11.335 eram pessoas com mais de 80 anos, 3.710 com idades entre os 70 e os 79 anos, e 1.570 tinham entre os 60 e os 69 anos.

Quanto às infeções o boletim revela que do total de 960.437 pessoas infetadas desde o início da pandemia, 56.669 tinham entre os 0 e os 9 anos, 94.990 entre os 10 e os 19 anos, 148.476 entre os 20 e os 29 anos, 142.154 entre os 30 e os 39 anos, 158.316 entre os 40 e os 49 anos, 135.779 entre os 50 e os 59 anos, 92.237 entre os 60 e os 69 anos, 59.230 entre os 70 e os 79 anos e 71.931 com mais de 80 anos.

A proposta dos peritos para o alívio das restrições

A máscara pode deixar de ser usada em ambientes exteriores, mas nos restaurantes continua a haver limite de pessoas por mesa.

Esta é uma das medidas previstas na proposta apresentada na terça-feira pelo peritos, na reunião do Infarmed, para o alívio gradual das restrições.

A ideia é aplicar o plano em quatro fases, tendo como base a taxa de vacinação.

Ministro da Economia defende o uso de certificados digitais nos restaurantes

O ministro da Economia defende o uso de certificados de vacinação no acesso a restaurantes dos concelhos de maior risco.

Questionado esta quarta-feira sobre as dificuldades reportadas em vários estabelecimentos, Pedro Siza Vieira afirma não ter conhecimento de problemas técnicos.

Relativamente às críticas dos restaurantes situados nos concelhos de risco, a respeito das restrições horárias aos fins-de-semana, o ministro lembrou que a apresentação do certificado digital já "permitiu abrir um conjunto de atividades".