Os números da Covid-19

Portugal com mais 12 mortes e 2.571 casos de covid-19 em 24 horas

Horacio Villalobos

O último balanço da DGS.

Portugal contabiliza este sábado mais 12 mortes e 2.571 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.549 mortes e 1.001.118 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando este sábado ativos 44.193 casos, menos 262 em relação a sexta-feira.

O boletim da DGS revela que estão internados 727 doentes, menos 5 do que sexta-feira. Nos cuidados intensivos estão 161 doentes, menos 1.

Os dados indicam ainda que mais 2.821 doentes foram dados como recuperados, fazendo subir para 939.376 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 56.385 contactos, menos 738 relativamente ao dia anterior.

Rt e da incidência

A taxa de incidência de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2 nos últimos 14 dias baixou novamente no continente e a nível nacional, enquanto o índice de transmissibilidade (Rt) voltou a aumentar, passando de 0,94 para 0,95.

O boletim epidemiológico conjunto da Direção-Geral da Saúde e do Instituto Nacional da Saúde Doutor Ricardo Jorge revela que a taxa de incidência (média de novos casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias) desceu para 319,9, a nível nacional.

Em Portugal continental, a taxa de incidência desceu para 324,6 (na quarta-feira situava-se nos 331,6).

O Rt - que estima o número de casos secundários de infeção resultantes de uma pessoa portadora do vírus - é hoje de 0,95 em todo o território de Portugal.

Os dados do Rt e da incidência de novos casos por 100 mil habitantes a 14 dias - indicadores que compõem a matriz de risco de acompanhamento da pandemia - são atualizados pelas autoridades de saúde à segunda-feira, à quarta-feira e à sexta-feira.

OMS cria novo grupo de trabalho para investigar origem da covid-19

A Organização Mundial da Saúde criou um novo grupo de trabalho para investigar as origens da pandemia de covid-19.

O objetivo é tentar despolitizar a matéria e contar com o apoio da China.

O novo grupo de trabalho mantém todas as hipóteses em aberto, inclusive a da fuga do laboratório, que tem recolhido cada vez mais apoiantes. No processo, querem evitar acusações mútuas entre países.

Vacina da Moderna mantém anticorpos contra variante Delta até seis meses

Um estudo publicado na revista científica "Science" mostra que a maioria dos vacinados contra a covid-19 manteve os anticorpos contra as variantes do SARS-CoV-2.

De acordo com a publicação, a maioria das pessoas vacinadas manteve os anticorpos seis meses depois da segunda dose da vacina.

"Estamos satisfeitos com os novos dados que mostram que as pessoas vacinadas com as duas doses da vacina mantiveram anticorpos por seis meses, incluindo contra variantes preocupantes, como a variante Delta. Estamos comprometidos em conseguir dados sobre a vacina e em partilhá-los", afirma o CEO da empresa, Stéphane Bancel.

O responsável espera que os novos dados ajudem os reguladores de saúde a tomar decisões sobre doses de reforço.

Níveis mais baixos de anticorpos foram observados em pessoas mais velhas. No entanto, a empresa adianta que eram "pequenas diferenças":

"É importante salientar que muitos indivíduos com mais idade mantiveram anticorpos contra as variantes seis meses após a segunda dose da vacina".

Arnd Wiegmann

LINKS ÚTEIS

MAPA COM OS CASOS A NÍVEL GLOBAL