Apoio Social

Abertas candidaturas: Prémios BPI Fundação “la Caixa” reforçam dotação para 4,6 milhões de euros

Abertas candidaturas: Prémios BPI Fundação “la Caixa” reforçam dotação para 4,6 milhões de euros

Nos últimos 12 anos, o BPI e a Fundação “la Caixa” distribuíram mais de 22 milhões de euros para implementar 781 projetos de inclusão social, que contribuíram para melhorar a vida de mais de 175 mil pessoas.

Com uma dotação global de 4,6 milhões de euros, mais 600 mil euros do que no ano passado, acaba de ser lançada a edição de 2022 dos Prémios BPI Fundação “la Caixa”. As candidaturas foram abertas com o “Prémio Capacitar” – já existente há 10 anos – que apoia projetos para melhorar a qualidade de vida e autonomia das pessoas com deficiência e doença mental.

“No conjunto, estamos a falar de 23 milhões de euros em 33 edições”, esclarece José Pena do Amaral, membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI. 

Nos últimos 12 anos, o BPI e a Fundação “la Caixa” distribuíram mais de 22 milhões de euros para a implementação de 781 projetos de inclusão social em Portugal, que contribuíram para melhorar a vida de mais de 175 mil pessoas.

O objetivo destes prémios é apoiar as iniciativas de instituições sem fins lucrativos destinadas a melhorar a qualidade de vida das pessoas em situação de vulnerabilidade e promover a igualdade de oportunidades.

“O importante é valorizar as organizações que se candidatam”, considera José Amaral. “O que se faz neste setor é extraordinário”, sublinha.

Em 2021, o BPI e a Fundação “la Caixa” apoiaram com quatro milhões de euros, 142 iniciativas de entidades do terceiro sector.

“Há um grande escrutínio na seleção dos projetos”

José Amaral

As candidaturas mais pontuadas são submetidas à apreciação de um grupo de avaliadores designados pelo BPI e pela Fundação ”la Caixa”. O objetivo é validar e comprovar a sua consistência. Por fim, a seleção dos projetos é realizada por um júri que analisa as candidaturas, as linhas prioritárias estabelecidas, a solidez e o impacto social. 

Este ano, o maior reforço foi para os prémios Infância e Seniores, distribuindo por cada um 1,3 milhões de euros. Procura-se, assim, dar resposta aos grupos da população que, de acordo com o relatório “Portugal – Um Balanço Social”, estão “entre os mais vulneráveis à pobreza e à exclusão social”. 

O relatório “Portugal – Um Balanço Social” é um projeto da Fundação “la Caixa” e do BPI, realizado em associação com a Nova SBE, no âmbito da parceria “Iniciativa para a Equidade Social”. 

Hoje, “estamos mais confiantes, temos maior perceção do valor de cada um dos projetos e da forma como as instituições se colocam no terreno e se organizam”, afirma José Amaral.

Para apoiar as entidades no processo de candidatura, o BPI e a Fundação “la Caixa” vão realizar, via digital, sessões de esclarecimento para cada Prémio: Capacitar (03 de março); Solidário (24 de março); Seniores (29 de abril); Infância (26 de maio). As entidades interessadas podem obter mais informação no site do BPI e da Fundação ”la Caixa”.

O Prémio Solidário apoia projetos que promovam o “desenvolvimento integral e o processo de inclusão social das pessoas em situação de vulnerabilidade, potenciando as suas capacidades e favorecendo a igualdade de oportunidades, com especial enfoque no apoio às necessidades básicas, a recursos de habitação, à empregabilidade e à coesão social”.

Com uma dotação de 1.000.000€, as candidaturas decorrem de 22 de março a 26 de abril.

O Envelhecimento ativo e saudável é tema de outro prémio – o Prémio Seniores – que tem como finalidade apoiar projetos que promovam a autonomia pessoal e o bem-estar das pessoas com mais de 65 anos, visando especialmente o “fortalecimento das relações interpessoais, a prevenção de situações de fragilidade e isolamento e o apoio às situações de doença”.

A sua dotação é de 1.300.000€ , decorrendo as candidaturas de 27 de abril a 23 de maio 

O BPI e a Fundação ”la Caixa” também apoiam crianças em situação de pobreza com o Prémio Infância, no valor de 1.300.000€. A finalidade é apoiar projetos que “procurem quebrar o ciclo de pobreza, facilitem o desenvolvimento na infância e da adolescência e potenciem a família como eixo da ação socioeducativa”. As candidaturas decorrem de 24 de maio a 27 de junho.