Mais Esperança

Gulbenkian ajuda a melhorar cuidados oncológicos em Cabo Verde

Gulbenkian ajuda a melhorar cuidados oncológicos em Cabo Verde

Os doentes com cancro que vivem em Cabo Verde podem agora usufruir de melhores cuidados de saúde.

Os resultados do projeto “Oncologia Cabo Verde” apoiado há quatro anos pela Fundação Gulbenkian, demonstram a melhoria do investimento que tem sido feito nessa área, em conjunto com o Ministério da Saúde cabo-verdiano.

As cirurgias oncológicas registaram um aumento de 80% e as sessões de quimioterapia, de 18%. No período entre 2017 e 2020 diminuiu em 30% a transferência de doentes para Portugal. Em consequência, a taxa de mortalidade por cancro baixou em 3% entre 2018 e 2020.

Estes são alguns dos resultados registados na avaliação externa realizada pela consultora portuguesa Logframe ao projeto “Oncologia Cabo Verde”.

A introdução de novas práticas e procedimentos, a melhoria da capacidade de diagnóstico e o aumento do número e do tipo de cirurgias realizadas são alguns dos progressos obtidos.

Carla Barbosa, coordenadora do Programa Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Oncológicas, salienta o impacto na melhoria do diagnóstico de cancro da mama e próstata.

Consolidar boas práticas

Com o trabalho realizado no âmbito deste projeto, pretende-se melhorar os cuidados prestados aos doentes oncológicos naquele arquipélago africano, através da atualização técnica e da melhoria do desempenho dos profissionais de saúde, dos procedimentos e de boas práticas. Todo esta ação que decorre, desde 2018, nos Hospitais Dr. Agostinho Neto, na Praia, e Dr. Baptista de Sousa, no Mindelo, tem sido articulada com os eixos prioritários do Plano estratégico Nacional de Cabo Verde nesta área.

A avaliação externa ao projeto incidiu também sobre o efeito de algumas medidas projetadas para o futuro, como a criação de um registo oncológico no hospital Agostinho Neto alargado a nível nacional, considerado um “passo importante para uma melhor avaliação da incidência dos diferentes tumores”.

Projetam-se ainda mudanças no campo da formação, bem como noutras áreas que possam beneficiar do mundo digital.

Perante os bons resultados obtidos, a avaliação aponta para a “necessidade de expandir, consolidar e aprofundar as intervenções já iniciadas, com o objetivo de continuar a melhorar os cuidados oncológicos em Cabo Verde”.