Mundo

Mais de 400 migrantes socorridos pela ONU em pleno deserto perto da Argélia

Yannis Behrakis

Mais de 400 migrantes foram socorridos nos últimos dois dias ao norte do Níger, em pleno deserto, na fronteira com a Argélia, anunciou esta quarta-feira a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

As 439 pessoas que foram resgatadas, divididas em dois grupos, foram socorridas no deserto em Assamaka, localidade nigerina na fronteira com a Argélia, onde chegaram "a pé", indica a OIM na sua página do Facebook.

A 3 de setembro, uma primeira vaga de 347 migrantes de 13 países da África Ocidental foram socorridos por uma equipa da OIM. Outros 92 migrantes chegaram a 04 de setembro à mesma zona tendo também sido assistidos pelas equipas de salvamento.

A agência das Nações Unidas não refere se estes migrantes foram expulsos da Argélia como aconteceu recentemente com milhares de outros imigrantes ilegais.

A OIM adianta que as pessoas foram acolhidas no seu centro de passagem em Arlit (norte do Níger) e que aqueles que o desejem serão transportados para seu país de origem.

Em meados de agosto, 128 imigrantes, incluindo oito mulheres e 14 crianças da Argélia, foram resgatados perto da fronteira argelina.

O Níger, que recebe apoio material e financeiro substancial da Europa, tem travado uma luta implacável para conter o fluxo migratório no seu território, em particular no norte desértico.

Segundo estatísticas europeias, cerca de 90% dos migrantes da África Ocidental atravessam o Níger para chegarem à Líbia e depois à Europa.

Em meados de julho, durante uma visita ao Níger, o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, mostrou-se agradado com a "queda de mais de 95%" no fluxo de migrantes do Níger para a Líbia e para a Europa entre 2016 e 2017.

Na segunda-feira, a União Europeia (UE) pagou 21 milhões de euros (cerca de 13,775 mil milhões de francos CFA) ao Níger para ajudar na luta contra a emigração ilegal para a Europa.

Lusa

  • 100 mortes e 5.170 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O número de óbitos subiu de 76 para 100 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 4.268 para 5.170, mais 902 em relação a ontem. A região Norte continua a ser a mais afetada. A ministra da Saúde diz que a incidência máxima da doença deve acontecer no final de maio. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias