Mundo

Notícias falsas através do WhatsApp nas eleições brasileiras são fenómeno sem precedente

FERNANDO BIZERRA JR.

A chefe da missão de observação da Organização dos Estados Americanos (OEA) nas eleições presidenciais no Brasil, Laura Chinchilla, disse esta quinta-feira que o fenómeno das notícias falsas na campanha eleitoral do país não tem precedentes em nenhuma democracia do mundo.

"É a primeira vez em uma democracia que estamos observando o uso do WhatsApp para espalhar maciçamente notícias falsas como está acontecendo aqui no Brasil", disse Laura Chinchilla, a jornalistas, em São Paulo.

A chefe da missão da OEA encontrou-se hoje com o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, que apresentou uma série de denúncias sobre violência política, divulgação de notícias falsas e financiamento ilegal de campanha contra seu adversário Jair Bolsonaro.

A OEA, afirmou Chinchilla, tomou nota das acusações, transmitiu-as às autoridades eleitorais e comprometeu-se em dar seguimento nos casos.

A representante da organização expressou a sua preocupação com a intensificação da disseminação de conteúdo falso no Brasil, especialmente por meio do aplicativo de mensagens WhatsApp e frisou que as autoridades foram "esmagadas" pelo fenómeno.

Isto porque nos Estados Unidos as notícias falsas foram disseminadas nas redes sociais como o Facebook ou o Twitter, enquanto no Brasil elas se espalharam por uma rede privada onde o controlo é mais complexo.

"Ser uma rede privada levantou uma série de considerações para as autoridades sobre como lidar com o acesso a comunicações privadas. Acessar o WhatsApp é como acessar um e-mail privado", enfatizou, acrescentando que combater este problema "exige instrumentos técnicos e jurídicos diferentes", destacou Chinchilla.

A polícia brasileira abriu uma nova investigação para determinar se as empresas de tecnologia disseminaram mensagens difamatórias nas redes sociais contra Bolsonaro, o favorito para vencer as eleições de domingo, e também contra Haddad.

Ao mesmo tempo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) iniciou uma investigação a pedido do PT para descobrir se empresas financiaram a compra em massa de mensagens falsas para beneficiar a campanha do candidato de extrema-direita, conforme revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

"A questão das notícias falsas está sendo uma surpresa para a maioria das democracias do mundo. Vimos que muitas vezes as autoridades estão sobrecarregadas pelo fenómeno das notícias falsas porque é recente as dimensões que não foram consideradas", disse a chefe da missão da OEA.

Chinchilla afirmou que a OEA "não teve a oportunidade" de falar sobre o assunto com Bolsonaro ou outro membro de seu partido, mas expressou a disposição da organização de reunir-se com o candidato antes das eleições de domingo.

No entanto, disse que também recebeu denúncias do Partido Social Liberal (PSL), que, segundo Chinchilla, foram enviadas às autoridades eleitorais.

Lusa

  • Governo alarga linhas de crédito. China sem mortes pela primeira vez desde janeiro

    Coronavírus

    A partir de amanhã, o Governo vai ter uma nova linha de crédito de 13 mil milhões de euros para empresas. O anúncio foi feito pelo ministro da Economia depois da reunião com a Concertação Social. A China não registou qualquer morte por Covid-19 nas últimas 24 horas. É a primeira vez que acontece desde janeiro, quando começaram as estatísticas sobre a pandemia do novo coronavírus em Wuhan. Siga aqui ao minuto as últimas informações.

    Direto