Mundo

Advogado de "El Chapo" diz que Presidente do México recebeu subornos

Daniel Becerril

Um dos advogados do mexicano Joaquin "El Chapo" Guzmán, suspeito de ter dirigido um dos cartéis de droga mais poderosos do mundo, afirmou esta terça-feira que o Presidente mexicano e o seu antecessor receberam subornos do cartel de Sinaloa.

O advogado Jeffrey Lichtman, na sua intervenção introdutória na abertura do julgamento de "El Chapo", que decorre em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, afirmou que centenas de milhões de dólares foram transferidos, em nome da organização, por Ismael "El Mayo" Zambada, coacusado no julgamento, mas que está em fuga.

O atual Presidente do México é Enrique Peña Nieto, que será substituído no cargo pelo já eleito Andrés Lopez Obrador, no dia 1 dezembro.

Joaquin Guzmán, de 61 anos, é acusado de dirigir entre 1989 e 2014 o cartel de Sinaloa, que enviou para os Estados Unidos da América mais de 154 toneladas de cocaína e grandes quantidades de heroína, metanfetaminas e marijuana.

De acordo com as autoridades norte-americanas, "El Chapo" tornou-se o traficante mais poderoso do mundo após a morte do colombiano Pablo Escobar, em 1993. Se for condenado, Guzman arrisca a prisão perpétua.

"El Chapo" é também suspeito de protagonizar uma campanha de assassínios e sequestros e de branqueamento de milhares de milhões de dólares.

Preso pela primeira vez na Guatemala, em 1993, e após ser condenado a 21 anos de prisão, Guzmán escapou em 2001 de uma prisão de alta segurança de Puente Grande (estado de Jalisco).

Após 13 anos em fuga, foi capturado em 2014, mas escapou um ano mais tarde de uma prisão de máxima segurança de Altiplano, perto da Cidade do México, através de um túnel com 1,5 quilómetros.

Em janeiro de 2016, e após várias tentativas, o Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, anunciou finalmente a captura de "El Chapo".

Um ano mais tarde, o suspeito foi extraditado para os Estados Unidos.

Lusa

  • O plano “secreto” para transportar El Chapo para o tribunal

    Mundo

    Começaram esta terça-feira as alegações iniciais no julgamento de Joaquim “El Chapo” Guzman, o maior narcotraficante mexicano e considerado um dos maiores criminosos do mundo. Em causa estão acusações de tráfico, lavagem de dinheiro e homicídios, que podem valer-lhe uma condenação de prisão perpétua. O julgamento arrancaram em Nova Iorque sob fortes medidas de segurança, com um plano secreto para transportar El Chapo até ao tribunal.