Mundo

Oito feridos nos protestos dos "coletes amarelos" em França

JULIEN DE ROSA / EPA

Oito pessoas ficaram hoje feridas, incluindo dois polícias, e 35 foram interpeladas nos protestos dos designados “coletes amarelos” em França, tendo 22 ficado detidas, segundo um balanço do Ministério do Interior.

De acordo com a mesma fonte, perto de 81.000 “coletes amarelos” protestavam hoje cerca das 15:00 (14:00 em Lisboa) em toda a França, 8.000 dos quais em Paris. No passado sábado à mesma hora eram 244.000 no total.

Nos Campos Elísios, em Paris, a polícia tentou controlar os manifestantes através do lançamento de granadas de gás lacrimogéneo, canhões de água e perímetros de segurança.

Os "coletes amarelos" são um movimento cívico à margem de partidos e sindicatos, criado nas redes sociais e alimentado pelo descontentamento da classe média-baixa.

Surgiu inicialmente como protesto contra o aumento dos combustíveis, mas foi alargando o descontentamento em relação a várias medidas do Presidente francês, Emmanuel Macron

  • Confrontos no centro de Paris. Mais de 100 mil manifestam-se em toda a França
    1:39

    Mundo

    O protesto que começou há uma semana ganhou maior expressão hoje com milhares de pessoas no centro de Paris. Os manifestantes entraram em confronto com a polícia, que disparou gás lacrimogéneo e canhões de água. No centro da contestação está o aumento de impostos nos combustíveis, mas já se pede demissão do Presidente francês, Emmanuel Macron. Por todo o país houve manifestações, com mais de 100 mil nas ruas.

  • Jornalista português em Paris diz que situação está "fora do controlo"
    0:44

    Mundo

    A polícia lançou este sábado gás lacrimogéneo e um camião de água, em Paris, para tentar travar os "coletes amarelos", os camionistas franceses em protesto contra o aumento dos impostos dos combustíveis. O jornalista Artur Silva, da rádio Alfa, diz que o Governo já deu a conhecer o número de manifestantes. São mais de 8 mil em Paris e acrescenta que a situação está fora de controlo.