Mundo

Perto de 30 mortos em ataques aéreos da coligação anti-Daesh na Síria

Goran Tomasevic / Reuters

Ataques ocorrem depois do anúncio do Presidente norte-americano, Donald Trump, da retirada em breve das suas tropas na Síria.

Perto de 30 pessoas foram mortas hoje em ataques aéreos da coligação anti-'jihadistas' dirigida pelos Estados Unidos contra o último bastião do grupo do Daesh no leste da Síria, indicou uma organização não-governamental.

Entre as vítimas encontram-se 14 familiares de combatentes 'jihadistas', segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Os bombardeamentos da coligação internacional ocorrem 48 horas depois do anúncio pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, da retirada em breve das suas tropas na Síria, o que pode afetar a luta contra o grupo extremista Estado Islâmico no país devastado por quase oito anos de guerra.

"Pelo menos 27 pessoas foram mortas esta manhã na localidade de Al-Chaafa em ataques aéreos da coligação internacional, incluindo pelo menos 14 membros das famílias de combatentes do EI, entre os quais oito crianças", disse à agência France Presse o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

"O balanço pode aumentar devido à existência de vários feridos, alguns dos quais estão em estado grave", adiantou.O grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI) está encurralado num último reduto na província de Deir Ezzor, perto da fronteira iraquiana.

A coligação interveio em apoio das Forças Democráticas Sírias (FDS), a aliança árabe-curda que realiza uma ofensiva terrestre desde setembro para expulsar o EI.Juntando vários países ocidentais e árabes, a coligação internacional não diminuiu os bombardeamentos contra o reduto dos 'jihadistas' desde o anúncio de Trump.

"Para já, continuamos a trabalhar com e através dos nossos parceiros na região", indicou na quarta-feira um porta-voz do Pentágono, o coronel Robert Manning.Desde o lançamento da operação a 10 de setembro conta aquele bastião do EI morreram 969 'jihadistas' e 545 membros das FDS, além de 350 civis.

LUSA