Mundo

Igreja é estrutura "maciçamente homossexual"

YOAN VALAT

Posição defendida em livro por um jornalista francês.

O jornalista francês Frédéric Martel considera a Igreja "uma estrutura maciçamente homossexual", no livro "No armário do Vaticano", que será lançado na quinta-feira e que já levantou polémica antes de chegar às livrarias.

"A homossexualidade é a explicação para a maioria dos problemas da Igreja desde há 50 anos. A homofobia da Igreja é explicada pelo alto nível de homossexualidade no clero", diz Martel em entrevista à agência noticiosa Efe num café no distrito "gay" de Paris, Le Marais, onde vive.

Para este jornalista e sociólogo, autor de títulos como "global gay" ou "Smart", este trabalho só poderia ser escrito por um homossexual - "temos de saber os códigos" - que não trabalha na Itália ou é vaticanista, para não ter medo de perder o seu emprego.

Durante quatro anos, Martel entrevistou mais de mil pessoas, viajou para trinta países e esteve durante algum tempo em Roma, onde afirma ter as suas melhores fontes.

Uma dessas fontes, um ex-membro da Igreja, diz no livro que a comunidade homossexual representa 80% do Vaticano.

"Os padres homossexuais e cardeais são os que estão mais interessados em defender o celibato. A posição contra os preservativos ou evitar sexo antes do casamento também é explicado pela questão homossexual", diz Martel.

O lançamento do livro na quinta-feira em vinte países em simultâneo, incluindo Portugal, coincide com a reunião dos Presidentes das Conferências Episcopais para discutir a prevenção de abuso de crianças por parte do clero, uma questão que, na opinião de Martel, também encontra as suas raízes na homossexualidade.

Este investigador acredita que o interesse do bispo que protege o padre, sabendo que este pode conhecer as suas preferências, é tentar evitar o escândalo em torno da sua própria pessoa.

O livro "No armário do Vaticano" (título em Portugal), que tem como titulo original "Sodoma", dedica um capítulo ao chileno Angelo Sodano, núncio no Chile durante o regime de Pinochet, cujos documentos oficiais consultados por Martel colocam a probabilidade de este ter estado bem informado sobre os abusos do padre Fernando Karadima.

Na publicação, Martel faz também uma ligação entre a homossexualidade e a saída de Bento XVI, indicando que este se sentia atraído por homens.

Agora que o papa Francisco parece disposto a "descobrir as razões e as estruturas que permitiram" o abuso infantil, Martel, que deu ao papa uma cópia de "Sodoma", afirmou com orgulho: "O meu livro fornece a chave nas estruturas e as raízes do fenómeno. a Igreja está condenada a mudar".

Lusa