Mundo

Refugiado de 8 anos é campeão de xadrez em Nova Iorque

Tanitoluwa Adewumi, conhecido por "Tani", a jogar xadrez.

Russell Makofsky

Tanitoluwa Adewumi tem 8 anos e há um ano não sabia jogar xadrez. Agora foi campeão na sua categoria num torneio em Nova Iorque.

Tanitoluwa Adewumi tinha 7 anos quando ele, os seus pais e o seu irmão mais velho fugiram da Nigéria para escapar ao Boko Haram. Acabaram por ir para Nova Iorque, em 2017, onde um pastor os ajudou a estabelecerem-se num centro de acolhimento para sem-abrigo, no qual viveram nos últimos dois anos.

"Tani", como é carinhosamente tratado pelos amigos, começou a frequentar a escola primária, P.S.116, localizada em Manhattan, e está agora no 3º ano.

A mãe do menino, Oluwatoyin Adewumi, fez saber à escola que o seu filho estava interessado em integrar o clube de xadrez, mas que não podia contribuir com muito devido às dificuldades económicas. Russell Makofsky, o professor de xadrez da escola, decidiu então não cobrar as habituais taxas de inscrição. O menino participou no seu primeiro torneio há um ano, onde alcançou o ranking mais baixo.

Um ano depois de começar a aprender, nos dias 9 e 10 de março deste ano, "Tani" participou num torneio de xadrez em Nova Iorque e, desta vez, ganhou a categoria para as crianças da sua idade.

Tanitoluwa Adewumi competia com outras 73 crianças e conquistou o troféu com cinco vitórias, um empate e zero derrotas, depois de passar horas a praticar no chão do centro de acolhimento.

Os pais de "Tani" fizeram tudo o que estava ao seu alcance para alimentar a paixão do filho pelo xadrez. A mãe levava-o a treinos de três horas em Harlem todos os sábados e o pai, Kayode Adewumi, que tem dois empregos para sustentar a família, ainda praticava com ele à noite.

Russell Makofsky

Russell Makofsky elogiou a inteligência e a capacidade do menino, explicando que “passou de alguém que não jogava ao melhor jogador do ano” e “isso é inédito”. “Tudo isto enquanto vive num centro para sem-abrigo", acrescentou, citado pela BBC.

Russell Makofsky

À NBC, "Tani" disse estar “surpreendido” por ter ganho. Contactou pela primeira vez com o xadrez quando o seu irmão mais velho lhe ensinou a jogar mas "não lhe tinha ensinado as regras certas", algo que só o treinador da escola conseguiu.

"Quero ser o grão-mestre mais novo”, disse ao The New York Times. Grão-mestre é um dos títulos concedidos pela Federação Internacional de Xadrez a alguns jogadores profissionais que tenham obtido a pontuação igual ou superior a 2500 pontos em pelo menos 24 partidas válidas pelo rating da FIDE.

A conquista foi, inclusive, celebrada por Bill Clinton, ex-Presidente dos Estados Unidos da América, nas redes sociais.

“Os refugiados enriquecem a nossa nação e o talento é universal, mesmo que a oportunidade não seja. Esta história pôs-me um sorriso nos lábios. Tanitoluwa, tu és o exemplo de um espírito vencedor – no xadrez e na vida. E parabéns aos teus pais pelo esforço. Deveriam todos passar no meu escritório em Harlem; adorava conhecer-vos”, escreveu o antigo governante na rede social Twiiter.

Makofsky criou uma conta na plataforma GoFundMe para ajudar "Tani" e a família. Tendo em vista 50.000 dólares (44.205, 40 euros), 245.578 dólares (217.117 euros) foram angariados em apenas 10 dias, com o contributo de 4.778 pessoas.

Passados uns dias, segundo o The New York Times, "Tani" e a família já tinham uma casa, bolsa escolar de três escolas privadas de elite e uma conta bancária, e decidiram apoiar a igreja que os ajudou e outros imigrantes africanos em dificuldades.

Com o dinheiro que sobrou, a família pretende ainda criar a “The Tanitoluwa Adewumi Foundation” (Fundação Tanitoluwa Adewumi) para retribuir a generosidade.

A família Adewumi ainda está à espera para receber o seu estatuto de asilo e vai ter uma audiência em agosto.

A história do menino tem captado a atenção de órgãos de comunicação social de todo o mundo.

“Tudo é possível. Deus pode fazer tudo por mim. Deus pode fazer tudo pela minha família”, referiu o rapaz.

  • Minutos salva-vidas
    20:48