Mundo

Ucrânia proíbe voos privados entre o país e a Rússia

Uma viagem do ex-canditado presidencial à Russia está por trás da proibição.

O Governo ucraniano anunciou hoje a proibição de todos os voos privados entre o país e a Rússia, com exceção dos voos de missões de organizações internacionais, como a ONU e a Cruz Vermelha.

A medida surge no seguimento da viagem à Rússia, no mês passado, do ex-candidato presidencial pró-russo Yuri Boiko e de Victor Medvedchuck, político próximo ao Presidente russo, Vladimir Putin, que se reuniram com altos funcionários russos.

Após uma análise do voo dos políticos, o ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, afirmou que "Boiko se aproveitou de uma falha" na legislação do país ucraniano.

Anteriormente, estavam proibidos todos os voos regulares entre os dois países, porém a lei não se aplicava aos aviões russos que efetuassem voos privados.

A decisão hoje anunciada impõe a "proibição de todos os voos irregulares entre a Ucrânia e o Estado agressor, com exceção dos voos necessários para garantir as missões de organizações internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e a Cruz Vermelha", referiu Avakov."Ninguém tem o direito de humilhar o Estado. Ninguém. Mesmo quando se trata de políticos que apoiam outra ideologia. A ideologia deve ser apenas uma: o nosso Estado, a nossa casa", considerou o primeiro-ministro Vladimir Groysman, em funções desde abril de 2016.

A agência de aviação civil russa, denominada Rosaviatsia, propôs o diálogo entre os dois países para restabelecer as comunicações aéreas.

"Em resposta à proibição (...) propomos dialogar e restabelecer totalmente as comunicações, tanto as regulares como as 'charter', entre a Rússia e a Ucrânia", indicou a entidade aérea em comunicado.

Segundo a Rosaviatsia, uma decisão deste tipo poderia responder aos interesses da população e dos passageiros de ambos os países.

Lusa.