Mundo

Mais de 30 mortos em ofensiva de marechal líbio contra Trípoli

Mais de 30 mortos em ofensiva de marechal líbio contra Trípoli

A Líbia, país rico em petróleo, vive uma crise de instabilidade política desde 2011, quando caiu o Governo de Kadhafi.


Pelo menos 35 pessoas morreram na Líbia, desde que na passada quinta-feira o comandante das forças rebeldes ordenou uma ofensiva contra a capital do país. O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, já veio pedir o fim da operação militar e um regresso às negociações políticas.


Numa declaração à televisão Libya al-Ahrar, no domingo à noite, o ministro da Saúde, A'hmid Omar, declarou que várias das vítimas são civis, sem precisar o número exato.


Por seu lado, o Exército Nacional da Líbia (ANL, sigla em inglês), liderado pelo marechal Khalifa Haftar, reportou na noite de sábado 14 mortos entre os seus combatentes.


Violentos combates nas proximidades de Trípoli opuseram no domingo as forças paramilitares do marechal Haftar, que quer conquistar a capital, e as tropas do Governo de União Nacional (GNA, sigla em inglês), administração líbia que é reconhecida pela comunidade internacional.


Os Estados Unidos pediram, entretanto, "um cessar imediato" da ofensiva do marechal Haftar.


As grandes potências não conseguiram ainda concordar com a Organização das Nações Unidas (ONU) uma posição comum sobre a crise na Líbia.


Um país rico em petróleo, a Líbia ficou dilacerada após a queda do Presidente Muammar Kadhafi em 2011, que gerou múltiplos conflitos internos.


Entretanto, a ofensiva lançada na quinta-feira pelas forças do marechal Haftar, homem forte no leste do país que quer tomar Trípoli e estender seu domínio no oeste, marca uma clara degradação entre as duas principais entidades que lutam pelo poder no país.


A missão da ONU na Líbia (Manul) lançou um "apelo urgente" para uma trégua de duas horas no subúrbio de Trípoli, no sul do país, para permitir a retirada de feridos e civis diante da escalada militar.


Mas "não houve trégua", disse à agência noticiosa francesa AFP um porta-voz do Manul, Jean Alam. Os serviços de socorro da Líbia confirmaram que não conseguiram entrar nas zonas de conflito.


Os combates ocorreram no domingo ao sul de Trípoli, especialmente em Wadi Rabi e no perímetro do aeroporto internacional, uma infraestrutura não utilizada desde sua destruição pelos combates em 2014.


O ANL anunciou no domingo que realizou seu primeiro ataque aéreo nos subúrbios ao sul de Trípoli. As forças leais ao Governo do primeiro-ministro Fayez al-Sarraj (GNA), apoiadas pela ONU, realizaram a seu primeiro ataque aéreo no dia anterior.

Com Lusa