Mundo

Irão pomete responder às sanções impostas ao petróleo pelos EUA

Raheb Homavandi

Em causa estãos os custos impostos pela nação norte-americana na importação do petróleo iraniano.

O reforço das sanções norte-americanas contra o petróleo iraniano não ficará "sem resposta", advertiu hoje o guia supremo do Irão, o 'ayatollah' Ali Khamenei.

Os Estados Unidos "devem saber que a sua medida hostil não ficará sem resposta. A nação iraniana não fica de braços cruzados face à animosidade", indicou através da rede social Twitter o 'ayatollah' Khamenei, sem precisar qual poderia ser a resposta iraniana.

"Os esforços dos Estados Unidos para um boicote das vendas de petróleo do Irão não os levarão a nenhum lado. Exportaremos o nosso petróleo tanto quanto precisarmos e tanto quanto quisermos", adiantou.

A política de "pressão máxima" dos Estados Unidos contra o Irão ultrapassou um novo limite na segunda-feira quando Washington anunciou a eliminação, a partir de 2 de maio, das exceções que permitiam ainda a oito países importar petróleo iraniano sem sofrerem as sanções norte-americanas impostas contra a República Islâmica.

"Os inimigos tomaram em vão medidas repetidas contra a nossa grande nação. (...) Nas questões económicas, dizem que querem pôr a nação iraniana de joelhos, mas devem saber que os iranianos não cederão", disse ainda Khamenei na mesma mensagem no Twitter.

O ministro do Petróleo iraniano, Bijan Zanganeh, considerou que os Estados Unidos "cometeram um grave erro politizando o petróleo e usando-o como arma no frágil estado do mercado", numa alusão à subida do preço do combustível após o anúncio da Casa Branca.

"Esta medida afetará muitos devido à (falta de) oferta", disse, adiantando ter dúvidas de que aliados dos Estados Unidos como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos possam compensar o petróleo iraniano, como sugeriu Washington.

Após a sua retirada unilateral do acordo internacional sobre o nuclear iraniano em maio de 2018, os Estados Unidos restabeleceram em agosto e novembro duras sanções económicas contra o Irão.

Os rendimentos do petróleo são vitais para a economia do Irão, que vive uma crise marcada pela inflação e desvalorização da moeda.

Lusa

  • E Se Fosse Consigo? A pobreza e a exclusão social
    34:51