Mundo

China pede aos EUA para evitarem novas medidas contra interesses de Pequim

Sputnik Photo Agency

Pedido ocorre depois do anúncio da ordem executiva de Trump contra os "adversários estrangeiros" dos Estados Unidos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da China pediu aos Estados Unidos para não irem "longe demais" e para evitarem novas "medidas prejudiciais" que atentam contra os interesses chineses durante uma conversa telefónica com o chefe da diplomacia dos EUA.

Durante a conversa com Mike Pompeo, Wang Yi expressou a sua firme oposição ao decreto emitido na semana passada pelo Presidente dos EUA, Donald Trump, que proíbe o uso de equipamentos tecnológicos de empresas que supostamente tentam espiar o país, o que poderá, na prática, restringir os negócios de empresas como a Huawei, pode ler-se na imprensa chinesa de hoje.

"Os EUA devem mudar de curso para evitar danos maior nos laços bilaterais em maio, porque a cooperação é a única opção correta para os dois países", afirmou Wang durante a conversa telefónica que ocorreu no sábado, segundo o jornal diário China Daily.

O pedido ocorre depois do anúncio da ordem executiva de Trump contra os "adversários estrangeiros" dos Estados Unidos, embora não nomeie especificamente a China, um país com o qual mantém uma disputa comercial.

As negociações para acabar com a guerra comercial ainda não chegaram a um fim, após mais de dez rondas de encontros, mas não há sinal de resolução a curto prazo após a imposição mútua de tarifas e a troca de acusações dos últimos dias.

"A China sempre esteve disposta a resolver disputas económicas e comerciais por meio de negociações e consultas que, no entanto, devem ser conduzidas com base na igualdade", disse Wang, acrescentando que a China, como em qualquer outra negociação, deve "salvaguardar os seus interesses legítimos, responder aos apelos do seu povo e defender as regras básicas das relações internacionais".

De acordo com o jornal estatal, os dois lados também trocaram opiniões sobre o mais recente desenvolvimento da questão iraniana, em torno da qual Wang enfatizou que a China está comprometida com a desnuclearização, paz e estabilidade no Médio Oriente.

"Esperamos que todas as partes ajam com contenção e cautela, a fim de evitar o aumento das tensões", conclui Wang, citado pelo diário chinês.

Lusa

  • “A espera” de uma mãe e uma luta que dura há 10 anos
    22:00