Mundo

China avisa que "serão punidos" os "criminosos e radicais" de Hong Kong

Kim Kyung Hoon/ REUTERS

Na semana passada, o exército chinês divulgou um vídeo no qual os seus soldados simulavam operações antimotim.

A China apelidou hoje de "criminosos e radicais" os responsáveis pela violência dos protestos em Hong Kong, advertiu-os de que "serão punidos" e avisou que ninguém deve subestimar "o imenso poder do Governo central".

"Nunca subestimem a forte determinação e o imenso poder do Governo central" e "não confundam contenção com fraqueza", disse o porta-voz do Gabinete de Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado chinês, Yang Guang, numa conferência de imprensa, um dia após uma greve geral e manifestações marcadas por mais confrontos com a polícia na antiga colónia britânica.

"Deve ficar muito claro para o pequeno grupo de criminosos violentos e sem escrúpulos e às forças repugnantes por detrás deles: aqueles que brincam com fogo morrerão pelo fogo", disse Yang.

"No final, eles serão punidos, (...) é uma questão de tempo" e "terão de enfrentar a Justiça", acrescentou, ao mesmo tempo que reiterou o apoio de Pequim à chefe do Governo de Hong Kong e à polícia, sublinhando que têm capacidade para reprimir os atos criminosos e violentos e para restaurar a ordem pública".


Questionado pelos jornalistas, o porta-voz do Gabinete de Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado chinês nunca admitiu uma eventual intervenção militar no território, que regressou à China em 1997.


O alto responsável chinês adiantou que desde o início dos protestos ficaram feridas 900 pessoas, 130 das quais são polícias, e que os quase dois meses de contestação "têm tido um grande impacto na prosperidade" de Hong Kong, dando como exemplo os protestos de segunda-feira que obrigaram ao cancelamento de 250 voos e bloquearam durante cinco horas a circulação no metro.


O impacto negativo na economia de Hong Kong, insistiu, já é visível nas estatísticas dos primeiros seis meses, tanto na ocupação de hotéis, como ao nível do investimento.


Uma "desordem" cuja responsabilidade Yang atribuiu também às forças anti-China que estão, sustentou, a "tentar escalar as tensões sociais" e a "provocar os elementos radicais contra a polícia".


E explicou: "É tempo de as pessoas de Hong Kong se erguerem e protegerem o seu território", de se "acabar com a violência e restaurar a ordem".


O responsável fez ainda questão de repetir as palavras proferidas na segunda-feira pela chefe do Governo da região administrativa especial chinesa, Carrie Lam, que afirmou que os protestos estão a colocar a cidade "à beira de uma situação muito perigosa".

Hong Kong vive há quase dois meses um clima de contestação social desencadeado pela apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais da região administrativa especial a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.


A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações generalizaram-se e denunciam agora aquilo que os manifestantes afirmam ser uma "erosão das liberdades" na antiga colónia britânica.


A transferência de Hong Kong e Macau para a República Popular da China, em 1997 e 1999, respetivamente, decorreu sob o princípio "um país, dois sistemas", precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.


Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

Lusa