Mundo

Uma centena de detenções após 24 horas de violência e pilhagem na África do Sul

Yeshiel Panchia

Incidentes eclodiram na sequência do assassínio de um condutor de uma carrinha táxi por um traficante de droga.

A polícia da África do Sul (SAPS, sigla em inglês) confirmou a detenção de 100 pessoas na cidade de Joanesburgo e arredores, em resultado da violência e pilhagem de estabelecimentos comerciais.

"A polícia condena todos os atos de violência e a pilhagem de estabelecimentos comerciais tidos como sendo de propriedade de cidadãos estrangeiros, por oportunistas criminosos em áreas que incluem Ekhurhuleni, Tshwane e o centro de Joanesburgo", disse em comunicado o porta-voz provincial da polícia em Gauteng, Lugelo Dlamini.

No comunicado, divulgado após cerca de 24 horas de violência e pilhagem nos principais centros urbanos da província de Gauteng, envolvente a Joanesburgo e Pretória, refere-se que "os incidentes eclodiram na semana passada em Pretória, na sequência do assassínio de um condutor de uma carrinha táxi por um traficante de droga".

A polícia sul-africana, que não menciona na nota a nacionalidade do traficante de droga, sublinha depois que "vários estabelecimentos comerciais foram pilhados e incendiados, deixando um rasto de destruição na capital volátil da África do Sul".

O comunicado indica que as detenções ocorreram em vários locais, nomeadamente Rosettenville (20), Malvern (35), Thembisa (10), Jeppe (26) e em Germiston (9), cidade satélite no leste de Joanesburgo.

A polícia sul-africana não divulgou a nacionalidade dos detidos.

"A polícia está a investigar também um caso de homicídio em Hillbrow, Joanesburgo, onde um homem foi alegadamente morto a tiro durante uma concentração de pessoas", lê-se na nota.

O porta-voz da SAPS afirma que as operações daquela força policial continuam ainda em curso.

Durante a tarde, um outro porta-voz da SAPS, Mavela Masondo, disse que três vítimas morreram carbonizadas num incêndio em Jeppestown cerca das 05:00 e um grupo de criminosos aproveitou-se da situação para assaltar as lojas naquela área do centro de Joanesburgo.

Lusa