Mundo

Monstro de Loch Ness pode ser uma enguia gigante

AP Images

"Há uma quantidade significativa de ADN de enguias no lago."

Ao longo dos anos, várias pessoas garantiram ter avistado o monstro de Loch Ness e muitas foram as histórias contadas e inventadas sobre o animal. Agora, uma equipa de cientistas acredita que aquilo que as pessoas podem ter visto foram enguias gigantes e não o monstro lendário.

A ideia surgiu após uma equipa de investigadores da Nova Zelândia tentar catalogar todas as espécies vivas que existem no Loch Ness, através de amostras de ADN extraídas da água do lago. O objetivo não era encontrar o monstro, mas sim aumentar o conhecimento sobre as plantas e animais que vivem no lago.

Segundo a BBC, os cientistas conseguiram descartar a presença de animais de grande porte, que podiam estar por trás dos avistamentos do monstro. Não foram encontradas evidências da existência de plesiossauros, um réptil marinho que viveu no período jurássico, esturjões, peixes-gato ou tubarões-da-Gronelândia.

No entanto, as enguias europeias estão entre os animais que vivem no Loch Ness. "Há uma quantidade significativa de ADN de enguias. Há muitos destes animais no Loch Ness, e quase todas as amostras retiradas do lago continham ADN de enguia. Então, a questão que fica é: serão gigantes?", as declarações são de Neil Gemmel, um especialista em genética da Universidade de Otago, na Nova Zelândia.

"Os nossos dados não revelam o seu tamanho, mas a grande quantidade de ADN diz que não podemos excluir a possibilidade de que existem enguias gigantes no Loch Ness. Deste modo, não podemos excluir a possibilidade de que aquilo que as pessoas veem e acreditam ser o monstro de Loch Ness pode ser, na verdade, uma enguia gigante."

No lago, foi ainda encontrado ADN de humanos, cães, ovelhas, gado, cervos, coelhos, ratos e pássaros.

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.