Mundo

61% das aplicações que ajudam a monitorizar a vida íntima e sexual não são seguras 

61% das aplicações que ajudam a monitorizar a vida íntima e sexual não são seguras 

ONG acusa as aplicações de partilharem dados pessoais com a rede social Facebook. 

Trata-se de aplicações simples e práticas que ajudam a monitorizar a vida sexual. Por exemplo, a controlar a data da última menstruação, o período fértil e até os métodos contracetivos usados.

Os utilizadores acreditavam que a informação que revelaram estava protegida, mas das 36 aplicações estudadas por uma organização não governamental britânica, mais de metade partilharam os dados com a rede social Facebook. Algumas com mais de 5 milhões de downloads no Google Play.

  • Sporting perde no arranque da caminhada europeia

    Liga Europa 2019/2020

    "Leões" perderam por 3-2 com o PSV, na Holanda.