Mundo

15 mortos e 65 feridos na ofensiva na Síria que pôs fim à trégua com a Turquia

15 mortos e 65 feridos na ofensiva na Síria que pôs fim à trégua com a Turquia

As forças do regime Sírio, com o apoio da Rússia, já assumiu que quer reconquistar a província de Id-lib. A região é o último refúgio dos rebeldes sírios, da Al Qaeda e da oposição, apoiada pela Turquia.

A Rússia - grande aliada do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad - anunciou a 09 de janeiro uma trégua em Idlib e a Turquia - apoiante de certos grupos rebeldes - confirmou essa iniciativa, que deveria ter começado no domingo.

Ainda assim, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos denunciou "mais de 100 ataques realizados por aviões sírios ou russos sobre a província de Idlib".

O regime diz que está determinado a reconquistar a região de Idlib, dominada pelos 'jihadistas' do Hayat Tahrir al-Cham (HTS, ex-ramo sírio da Al-Qaida) e outros grupos rebeldes menores.

Pelo menos 18 civis, incluindo seis crianças, foram mortos no sábado em ataques do regime sírio na província de Idlib, disse a mesma fonte.

Entre o final de abril e o final de agosto, o regime apoiado pela aviação russa já havia intensificado os bombardeamentos. A violência matou quase mil civis na área, segundo o OSDH.

Nesta altura, Moscovo havia anunciado um cessar-fogo no final de agosto, mas isso não impediu o reinício das hostilidades a partir de então.

A guerra na Síria, iniciada em 2011 com a repressão de protestos pró-democracia por Damasco, já fez mais de 380 mil mortes e deixou milhões de pessoas deslocadas e refugiadas.