Mundo

Seis separatistas da Catalunha libertados para comparecerem no parlamento regional

Nacho Doce/ Reuters

É a primeira vez que estes separatistas aparecem publicamente desde a sua condenação, em meados de outubro do ano passado.

Seis separatistas catalães a cumprir penas de prisão pelo seu envolvimento na tentativa independentista de 2017 foram hoje libertados excecionalmente para comparecer perante uma comissão do parlamento regional da Catalunha.


Todos eles são antigos membros do Governo separatista liderado por Carles Puigdemont, que está fugido na Bélgica, entre os quais o ex-vice-presidente regional, Oriol Junqueras.


Trata-se da primeira vez que estes separatistas aparecem publicamente desde a sua condenação em meados de outubro último, tendo sido recebidos à porta do parlamento regional por algumas dezenas de ativistas independentistas que os aplaudiram aos gritos de "liberdade".


O atual Governo regional separatista catalão, que tem amplos poderes, especialmente em assuntos prisionais, autorizou-os a sair para comparecer perante uma comissão de inquérito do parlamento regional para debater a intervenção do Estado central na comunidade autónoma na sequência da tentativa separatista de 2017.


A libertação temporária destes líderes independentistas acontece numa altura de grande tensão entre os dois maiores partidos separatistas, o Juntos pela Catalunha (JxC), de Carles Puigdemont, e a Esquerda Republicana da República (ERC), de Oriol Junqueras, que estão coligados no Governo regional.

Albert Gea/ Reuters

Esta tensão teve o seu momento mais alto na segunda-feira, quando a ERC resolveu não seguir a posição do JxC e acatou a decisão do tribunal que retirou o mandato de deputado ao atual presidente também independentista, Quim Torra, pertencente a este último partido.


O mandato de Quim Torra no parlamento regional foi-lhe retirado depois de ter sido condenado em dezembro passado a 18 meses de inelegibilidade por se ter recusado a obedecer à comissão nacional de eleições espanhola.



Albert Gea/ Reuters

A instituição exigiu que ele removesse os símbolos pró-independência da fachada do edifício do Governo regional, durante as legislativas de abril passado, visto que o executivo catalão, a que preside, devia ser imparcial aquando de consultas eleitorais.

Entretanto, o chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, foi reconduzido em meados de janeiro graças à abstenção da ERC, que teve uma posição que o JxC não aceitou.


Em troca desta abstenção, Sánchez prometeu negociações com o executivo regional para encontrar uma solução para o "conflito político" na Catalunha.


"Não há ninguém mais independentista do que eu (...) Assim como [na ERC] somos campeões da causa da República, também somos campeões do diálogo", disse Junqueras hoje no parlamento region

  • Quem és tu, César?

    Extremos

    Quando a investigação da SIC percebeu que a vida publicada de César do Paço poderia ser fruto da imaginação do protagonista, fizemos alguns esforços para conhecer a verdadeira face do empresário. O essencial dessas descobertas será revelado na Grande Reportagem "Cifrões e outros demónios, 2ª edição", último episódio da série "A Grande Ilusão", mas o detalhe dos dois doutoramentos revelamo-lo já aqui.

    Pedro Coelho

  • 0:23