Mundo

Supremo Tribunal da Austrália anula sentença do cardeal George Pell condenado por pedofilia

Mark Dadswell

A decisão judicial não é passível de recurso.

O Supremo Tribunal da Austrália anulou hoje a sentença de seis anos de prisão imposta ao cardeal George Pell, ex-tesoureiro do Vaticano, por abuso sexual de dois menores nos anos 90.

O plenário dos juízes do Supremo Tribunal da Austrália considerou que havia "uma possibilidade significativa de uma pessoa inocente ter sido condenada porque a prova não estabeleceu culpa com o nível de evidência exigido", de acordo com a decisão à qual a agência de notícias Efe teve acesso. A decisão não é passível de recurso.

O caso de pedofilia contra o ex-responsável das Finanças do Vaticano tem como base o testemunho de duas vítimas que o denunciaram em 2014.

Um dos acusadores morreu após o início do processo, vítima de consumo excessivo de estupefacientes.

Segundo a defesa, os dois juízes anteriores que tinham condenado o cardeal cometeram um erro ao exigir que Pell provasse a sua inocência sobre os crimes que lhe foram atribuídos.

O Supremo Tribunal também considerou que o júri "deveria ter duvidado da culpa do réu em relação a cada um dos crimes pelos quais foi condenado".

Pell foi condenado em março de 2019 por cinco acusações de abuso sexual, incluindo uma de penetração oral, cometida contra duas crianças no coro da Catedral de São Patrício em 1996 e 1997, quando era arcebispo de Melbourne.

  • Colin Powell: o último republicano moderado

    Mundo

    Serviu os últimos três Presidentes republicanos pré-Trump (Reagan, Bush pai, Bush filho) e ajudou a moldar a política externa da direita clássica na viragem do século. A partir de Obama, apoiou sempre os democratas, numa sólida barragem ao populismo demagógico, que sempre recusou. Era patriota, bravo, mas sempre racional. Vai fazer muita falta.

    Opinião

    Germano Almeida

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia