Mundo

Donald Trump sugere injeções de desinfetante para combater a Covid-19

MICHAEL REYNOLDS / POOL

Declarações estão a gerar controvérsia na comunidade médica.

O Presidente dos Estados Unidos está a ser criticado pela comunidade médica depois de ter sugerido que se investiguem os efeitos de injeções de desinfetante e utilização de luz ultravioleta no combate ao novo coronavírus.

O discurso de Donald Trump esta quinta-feira surgiu na sequência de um briefing onde foram apresentados resultados da investigação do Governo norte-americano que indicavam que o coronavírus parece ficar enfraquecido quando exposto à luz solar e calor.

O mesmo estudo concluía que a lixívia é capaz de matar o novo coronavírus em saliva ou gotículas num período de cinco minutos e que o álcool isopropílico tem um efeito ainda mais rápido.

Apesar de sublinhar que os resultados da investigação devem ser tratados com precaução, o Presidente dos Estados Unidos sugeriu que fossem desenvolvidas mais pesquisas na área.

As afirmações de Trump

“Supondo que atingimos o corpo com uma luz tremenda – seja ultravioleta ou apenas muito poderosa”, disse o Presidente, dirigindo-se à especialista da Casa Branca Deborah Birx, “e acho que disse que isso ainda não tinha sido verificado, mas que vão testá-lo”.

“Supondo que essa luz é colocada dentro do corpo, o que pode ser efeito através da pele ou de outra forma qualquer. E penso que disse que iam testar isso também. Parece-me interessante”, continuou o Presidente norte-americano.

“E depois vejo que o desinfetante funciona num minuto. Um minuto. Há alguma forma de fazermos alguma coisa com isso, injetando dentro do corpo ou limpando? Seria interessante verificar isso”.

Em seguida, Donald Trump questiona Deborah Birx, médica e especialista da Casa Branca, se já tinha sido informada sobre a utilização de calor e luz para tratar o coronavírus.

“Não como tratamento. Certamente que febre é uma coisa boa, a febre ajuda o corpo a responder. Mas não vi evidências de calor ou luz”.

As reações

Entretanto, a comunidade médica já veio alertar que as ideias de Donald Trump podem ter resultados fatais. Desinfetantes são substâncias altamente perigosas e venenosas quando ingeridos. Mesmo a exposição externa pode apresentar perigos para a pele, olhos e sistema respiratório.

À NBC News, o pneumologista Vin Gupta explicou que “a noção de injetar ou ingerir qualquer tipo de produto de limpeza é irresponsável e perigoso. É um método comum que as pessoas utilizam quando se querem suicidar”.

Kashif Mahmood, médico em Charleston, na Virgínia, desaconselhou no Twitter as injeções de desinfetante nos pulmões ou a utilização de radiação UV no corpo para tratar a Covid-19, e alertou mesmo os seguidores: “Não sigam conselhos médicos de Trump”.

John Balmes, pneumologista no Zuckerberg San Francisco General Hospital, alertou que até a inalação de lixívia pode causar problemas graves de saúde.

“Nem mesmo uma diluição de lixívia ou álcool isopropílico é seguro. É um conceito completamente ridículo”, disse à Bloomberg.

Trump envolto em polémica

Esta não é a primeira ocasião em que o Presidente norte-americano se viu envolto em polémica depois de ter sugerido tratamentos para o novo coronavírus. Previamente, Donald Trump já tinha falado na utilização de medicação contra a malária, a cloroquina.

Na altura, as afirmações levaram um casal na casa dos 60 anos, residente na cidade de Phoenix, no estado norte-americano do Arizona, a ingerir um produto utilizado para eliminar parasitas de aquários, que continha a substância, com a ideia de que este pudesse prevenir uma possível infeção do surto viral. O homem acabou mesmo por morrer.