Mundo

Magnata dos media de Hong Kong faz apelo aos jornalistas após libertação

Kin Cheung/ AP

Jimmy Lai percorreu a redação do Apple Daily, sob aplausos dos funcionários.

O magnata dos media de Hong Kong Jimmy Lai, proprietário do jornal Apple Daily, alvo de buscas na segunda-feira, instou hoje os jornalistas a continuarem a lutar, um dia depois de ser libertado sob caução.

Lai, que tinha sido detido na segunda-feira por suspeita de conluio com forças estrangeiras, ao abrigo da lei de segurança nacional, foi recebido com aplausos e ovações na redação do jornal, após 40 horas sob custódia policial.

"Continuemos a lutar!", disse Lai aos jornalistas. "Temos o apoio dos habitantes de Hong Kong, não podemos abandoná-los", instou Jimmy Lai, numa curta declaração transmitida em direto pelo jornal através das redes sociais.

Alvo de buscas por 200 agentes da polícia, na segunda-feira, o Apple Daily recebeu um forte apoio da população de Hong Kong, com filas a formarem-se de madrugada para comprar a publicação.

No vídeo, transmitido em direto, o magnata, muito crítico de Pequim, pediu aos jornalistas que mantenham o tom que despertou a ira da China, mas reconheceu que está a tornar-se "cada vez mais difícil" gerir um grupo de imprensa em Hong Kong.

"Mas temos de continuar o nosso trabalho", acrescentou. "Felizmente, não fui enviado para o continente [China continental]", brincou, fazendo rir os jornalistas.

Jimmy Lai, de 72 anos, é o proprietário de duas publicações pró-democracia frequentemente críticas de Pequim, o diário Apple Daily e o Next Magazine.

Herói para os habitantes de Hong Kong, "traidor" para o regime de Pequim

Visto por numerosos habitantes de Hong Kong como um herói e único magnata do território crítico de Pequim, Jimmy Lai é descrito nos meios de comunicação oficiais chineses como "um traidor", que inspirou as manifestações pró-democracia realizadas na região chinesa, e o líder de um grupo de personalidades acusadas de conspirar com nações estrangeiras para prejudicar a China.

As detenções e as buscas foram condenadas pela comunidade internacional, que receia o fim da liberdade de imprensa em Hong Kong, uma cidade que tem sido sede regional de órgãos de comunicação internacionais há décadas.

Lai foi uma das dez pessoas detidas pela polícia na segunda-feira, numa grande ação de repressão contra o movimento pró-democracia, a maioria ligadas ao grupo mediático.

Jovem ativista detida no mesmo dia de Jimmy Lai

No mesmo dia foi também detida a militante pró-democracia Agnes Chow, de 23 anos, que ajudou a fundar o partido Demosisto, ao lado de Joshua Wong, Nathan Law e de outros jovens ativistas.

A jovem é uma das primeiras ativistas do partido, entretanto extinto, a ser alvo da nova lei de segurança nacional.

Chow foi libertada sob caução esta madrugada, tendo ficado com o passaporte apreendido.

Ao sair da esquadra de polícia de Tai Po, Chow disse que a detenção faz parte de uma campanha de perseguição política.

"É muito claro que o governo está a utilizar a nova lei de segurança para reprimir os dissidentes políticos. Ainda não compreendo porque é que fui presa", disse Chow, citada pelo site de notícias local Hong Kong Free Press.

Lei de segurança nacional em vigor desde 30 de junho

A lei de segurança nacional criminaliza atos secessionistas, subversivos e terroristas, bem como o conluio com forças estrangeiras para intervir nos assuntos da cidade.

O documento entrou em vigor em 30 de junho, após repetidas advertências do Governo de Pequim contra a dissidência em Hong Kong, abalado em 2019 por sete meses de manifestações em defesa de reformas democráticas e quase sempre marcadas por confrontos com a polícia, que levaram à detenção de mais de nove mil pessoas.

Hong Kong regressou à soberania da China em 1997, com um acordo que garante ao território 50 anos de autonomia a nível executivo, legislativo e judicial, bem como liberdades desconhecidas no resto do país, ao abrigo do princípio "um país, dois sistemas", também aplicado em Macau, sob administração chinesa desde 1999.